Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Carlos Costa diz que modelo de governo das empresas deve ser equilibrado

O governador do BdP defendeu hoje que o modelo de governo das empresas não pode permitir a sua captura por uma parte, geralmente o proprietário que a controla, e que tem de equilibrar interesses de donos, trabalhadores, fornecedores e clientes.

Carlos Costa diz que modelo de governo das empresas deve ser equilibrado
Notícias ao Minuto

13:12 - 20/06/17 por Lusa

Economia Governador

Carlos Costa participou hoje numa conferência da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) sobre 'corporate governance', o modo de governo das empresas, e defendeu que este deve promover a inclusão de "todos os 'stakeholders'", ou seja, de todas as partes interessadas numa empresa, sejam acionistas ou sócios, administração, mas também trabalhadores, fornecedores e clientes, de modo a "não criar nenhum privilégio para um

'stakeholder' em matérias de captura de benefícios".

Para o governador, é necessário que a empresa comunique a todas as partes o que se passou, os desafios que tem pela frente e como os pensa superar.

É necessário o "reequilíbrio entre as partes interessadas no desenvolvimento da instituição, de forma a não facilitar capturas por interesses parcelares. Isto é um risco enorme", reiterou.

Carlos Costa afirmou que há que ter em conta que, quando uma empresa se desagrega, não é apenas "a separação entre capital e trabalhadores" que acontece, mas há um impacto em fornecedores, clientes, no emprego, há um impacto geral que não é imediatamente mensurável.

Por isso, defendeu, "temos de dar o salto para perceber que a 'governance' não é assunto privado, é de interesse geral".

Carlos Costa defendeu que aqui "há um papel-chave da informação", uma vez que é preciso assegurar que a informação que a empresa dá a todas as partes interessadas é suficiente e certificada.

"Hoje insisto muito na escassez de informação, na falta de certificação. Tivéssemos nós as garantias de pertinência, eficiência de informação e certamente teríamos outro tipo de comportamentos, porque o escrutínio teria sido feito", afirmou.

O governador disse ainda defender que as empresas estejam cotadas em bolsa, uma vez que nesse caso o escrutínio é maior.

"Uma empresa não cotada é ter a vida da empresa indexada a quem a controla. Sou a favor de tornar as empresas de capital público, por razões escala, e por razões associadas à continuidade da empresa. Pode haver volatilidade da cotação, mas a empresa continuará", afirmou.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório