Madeira reduziu dívida pública regional em mais de mil milhões de euros

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que a Região conseguiu amortizar mais de mil milhões de euros da sua dívida pública, sublinhando que esta é inferior à registada a nível nacional.

© Global Imagens
Economia Governo

"Neste momento já amortizámos, desde a intervenção [Programa de Ajustamento Económico e Financeiro da Madeira] 1.013 milhões de euros da dívida regional", disse o governante madeirense, numa conferência promovida por duas sociedades de advogados, subordinada ao tema "Orçamento de Estado 2017 e a nova tributação do património".

PUB

Miguel Albuquerque argumentou que agora "ninguém fala em Lisboa que a Madeira é a grande devedora, porque a Região tem uma ratio de dívida pública inferior à nacional", apontando que a dívida do país é de 133% do PIB (Produto Interno Bruto) e a do arquipélago se situa em 111%.

Em dezembro de 2012, na sequência do apuramento de uma dívida pública avaliada em 6,3 mil milhões de euros, o Governo Regional da Madeira, liderado pelo social-democrata Alberto João Jardim, assinou com a República um plano de resgate.

Miguel Albuquerque considerou que a Madeira "está muito condicionada com o que se passa a nível nacional".

"Nós, neste momento, temos um problema no nosso país: é que estamos num panelão que não funciona", ironizou o governante insular, contando aos presentes uma anedota sobre um homicida que morre e tem de escolher entre ir para inferno socialista ou capitalista.

O responsável explicou que nesta anedota, o indivíduo vê um "panelão socialista" com muita gente, em fila, à espera, enquanto o capitalista não tinha ninguém.

Quando questionou sobre a grande adesão, responderam-lhe que "no inferno socialista, normalmente, os diabos estão em greve, o caldeirão está hipotecado, não há fósforos e, às quintas-feiras, ninguém sabe o que é que vai acontecer. Portanto, o panelão nunca está funcional".

Miguel Albuquerque apontou ainda que a Madeira está a fazer "um percurso de boa administração das finanças publicas", o que é essencial para ser uma "região desenvolvida, com credibilidade e inspire confiança junto das instituições nacionais e internacionais".

Também mencionou a importância do turismo, vincando ser "o setor com maior impacto na economia regional", e realçou que o setor "vai fechar 2016 com 7,2 milhões de dormidas", o que significa o "melhor ano de sempre", tendo repercussões diretas e indiretas nos restantes setores regionais.

Segundo o chefe do executivo regional, a recuperação económica da Madeira "já é visível", dando como exemplo o setor do imobiliário, que regista um crescimento de 36%.

Realçou ainda a importância, entre outros, do Centro Internacional de Negócios, do Registo Internacional de Navios, da aquacultura e da tecnologia.

Albuquerque opinou que "o país não tem capacidade para captar investimento", estando há cerca de duas décadas sem crescimento económico".

Sublinhou também que "a opção para Portugal é a captação de investimento externo", o que passa por tornar-se atrativo em termos fiscais.

"O problema da nossa credibilidade é simples: nós não temos estabilidade legislativa no sistema para introduzir fatores de previsibilidade, que são essenciais para captar investimento externo", vincou.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser