Governo destaca papel do setor segurador na captação de poupança

O secretário de Estado do Tesouro realçou hoje que o setor segurador desempenha um papel fundamental na captação de poupança dos portugueses e na diversificação dos produtos de investimento, a par da oferta da banca e do mercado de capitais.

© Global Imagens
Economia Tesouro

"A poupança é um tema essencial para a economia portuguesa e o setor segurador representa um papel fundamental na poupança dos portugueses, quer na captação de poupança, quer na diversificação de produtos", afirmou Ricardo Mourinho Félix num vídeo transmitido hoje durante a conferência 'Portugal Seguro 2016', promovida pela Associação Portuguesa de Seguradores (APS).

PUB

Face à impossibilidade de participar pessoalmente no evento, Mourinho Félix gravou uma declaração, na qual assinalou a necessidade de aumentar a taxa de poupança em Portugal.

"A atual taxa de poupança é menor do que devia ser", assumiu o secretário de Estado, destacando a importância da poupança dos privados, famílias e empresas, para o desenvolvimento da economia portuguesa.

Mourinho Félix apontou também para a importância da captação das remessas dos emigrantes para o défice externo do país, sublinhando a vaga recente de emigração de portugueses, derivada da crise económica e da destruição de emprego durante vários anos.

"O Governo está empenhado em contribuir para a política de poupança. É fundamental que a poupança possa ser canalizada para os produtos bancários e seguradores, evitando concentração excessiva de riscos num dos setores", realçou, apontando para o papel desempenhado pela banca, pelas seguradoras e pelo mercado de capitais.

O responsável elogiou a "forma competente e responsável como o setor segurador tem gerido a sua carteira, que tem permitido devolver à sociedade o mesmo montante, ou mesmo mais, do que os prémios captados".

Mourinho Félix abordou ainda a atualidade do setor, sublinhando que "o setor segurador já é fortemente regulado, mas tem que lidar com um aumento das exigências", nomeadamente, com as novas regras de Solvência II.

"O Governo conta com o apoio das seguradoras para o combate ao branqueamento de capitais", referiu também o secretário de Estado, que ainda apontou para a importância do setor ao nível do emprego, contando com mais de 11 mil trabalhadores em termos diretos e mais de 22 mil pessoas em termos indiretos envolvidos nos seguros.

"O setor segurador é encarado pelo Governo como um aliado e o Governo será sempre parceiro de boas ideias, pelo que vamos promover uma colaboração mais estreita com a APS para o planeamento do objetivo comum que é o financiamento da nossa economia", rematou Mourinho Félix.

No mesmo evento também participa Paulo Macedo, presidente da Comissão Técnica Vida da APS e administrador da Ocidental Vida, que é um dos intervenientes na conferência anual da entidade que representa o setor segurador e tem sido um dos nomes mais falados para assumir a liderança da Caixa Geral de Depósitos (CGD), na sequência da demissão de António Domingues.

Porém, apesar das tentativas dos jornalistas à chegada ao evento, Paulo Macedo escusou-se a prestar quaisquer declarações sobre a matéria.

Última nota para António Bagão Félix, ex-governante que também ia participar nos trabalhos desta conferência, mas que não compareceu por motivos de doença.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser