Costa exige equilíbrio na aplicação geográfica do 'Plano Juncker'

O primeiro-ministro defendeu hoje que o 'Plano Juncker' deve ter uma aplicação geográfica equilibrada em relação aos projetos a financiar e igualdade de acesso a todos os Estados-membros, recusando a sua concentração nos países mais ricos.

© Global Imagens
Economia Governo

António Costa falava na abertura do debate sobre o Conselho Europeu, na quinta e na sexta-feira, em Bruxelas, que teve na galeria de honra a assistir o antigo primeiro-ministro da Dinamarca Poul Rasmussen (1993/2001), atual eurodeputado, membro do Partido Socialista Europeu.

PUB

Na sua intervenção, o primeiro-ministro advertiu que o "Plano Juncker" da Comissão Europeia não pode ter regras de aplicação que tenham como consequência "um agravamento das assimetrias" entre os diferentes Estados-membros.

Sobre a agenda da próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, o líder do executivo português aludiu às questões relativas ao mercado interno, em particular ao 'Plano Juncker'.

António Costa considerou "absolutamente essencial", sobretudo num momento em que o 'Plano Juncker' é alargado, que haja uma distribuição geográfica equilibrada dos projetos a financiar, garantindo igualdade de acesso a todos os Estados-membros.

"Não é possível que este plano, que corresponde a uma necessidade de investimento, acabe por concentrar o investimento naqueles que são os países economicamente mais fortes, acentuando as assimetrias entre as economias da União Europeia", afirmou.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser