Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 6º MÁX 14º

CPLP exorta portugueses para parcerias com empresários africanos

O presidente da Confederação Empresarial da CPLP, Salimo Abdula, defendeu hoje que a realidade angolana e moçambicana representa uma oportunidade para as pequenas e médias empresas portuguesas que queiram fazer parcerias com empresários locais.

CPLP exorta portugueses para parcerias com empresários africanos
Notícias ao Minuto

22:50 - 14/06/16 por Lusa

Economia Lusofonia

"Esse é o caminho, essa é a grande oportunidade para as PME portuguesas que se juntem, em parcerias, com empresários locais e usem as matérias-primas no setor agroindustrial, no setor dos serviços e turismo e possam contribuir para fazerem negócios, mas também para ajudar à estabilidade e ao crescimento interno", afirmou o dirigente.

Em declarações à Lusa, em Fafe, onde hoje decorrem as segundas jornadas empresariais da CPLP, Salimo Abdula assinalou que Angola e Moçambique "pretendem trazer valor acrescentado aos seus recursos" e "ter que passar a absorver a transformação das matérias-primas para poderem fazer face à carência das divisas".

"Vão ter de produzir mais internamente para o consumo e exportar mais para fazer o equilíbrio das suas economias", vincou.

Face às dificuldades económicas e financeiras por que passam os dois países africanos, o presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa reconheceu a necessidade de os potenciais investidores terem capital.

"Mas, acima de tudo, terem visão, porque se conseguirmos que as empresas venham para o mercado, os custos das aquisições estão muito mais baixos", explicou, enquanto aludia às reduções dos encargos com o arrendamento, aquisições de imóveis e terrenos.

"Os países vão abrir muito mais oportunidades para tudo o que for a substituição das importações", acrescentou.

Questionado sobre se o empréstimo que o FMI (Fundo Monetário Internacional) vai conceder ao Estado angolano poderá ajudar a injetar liquidez na economia local, Salimo Abdula não respondeu, mas avisou que "a entrada do FMI ajuda a disciplinar a governação das instituições públicas e privadas e criar uma igualdade nas oportunidades".

"Quando estamos fora dos olhos das instituições, como o FMI, abusamos daquelas que são as abundâncias que os países oferecem e acabamos por ser engolidos pela má governação", avisou, concluindo: "Angola vai passar por isso, mas serão etapas que devem ser aproveitadas para fazer as mudanças da gestão pública e para o setor privado se aprimorar na governação dos seus negócios".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório