Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2017
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Eis o que Mario Draghi disse na reunião do Conselho de Estado

O presidente do Banco Central Europeu afirmou hoje que o BCE acolhe com agrado o compromisso das autoridades portuguesas em preparar medidas adicionais para cumprir os compromissos do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

Eis o que Mario Draghi disse na reunião do Conselho de Estado
Notícias ao Minuto

17:00 - 07/04/16 por Lusa

Economia Belém

Durante a sua intervenção na reunião do Conselho de Estado, na qual participa como convidado do Presidente da República, Mario Draghi referiu que o BCE se congratula com o facto de a Comissão Europeia considerar que o Orçamento do Estado para 2016 (OE2016) "não revelava um incumprimento particularmente grave" do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

"Acolhemos igualmente com agrado o compromisso das autoridades portuguesas em preparar medidas adicionais, destinadas a ser implementadas quando necessário para assegurar a conformidade", afirmou.

No discurso divulgado pelo BCE, Draghi referiu que persistem "desafios importantes, dado a área do euro continuar a ser negativamente afetada por um crescimento potencial reduzido e por um desemprego estrutural elevado".

Segundo Draghi, a recuperação na zona euro está atualmente a avançar a um ritmo moderado, com o apoio das medidas de política monetária adotadas pelo BCE.

"Todavia, o investimento permanece fraco, uma vez que a incerteza acrescida no que respeita à economia mundial e aos riscos geopolíticos mais abrangentes pesam sobre o sentimento dos investidores", apontou.

"A recuperação também está a ganhar terreno em Portugal", considerou Draghi, salientando que a economia portuguesa regista o mesmo ritmo de crescimento que o conjunto da zona euro e "o desemprego apresenta uma tendência claramente descendente".

Mas, para o presidente do BCE "os sinais de retoma" tanto na zona euro como em Portugal "não devem dar azo a comprazimento".

"As nossas economias apresentam ainda vulnerabilidades significativas, às quais é necessário dar rapidamente resposta", afirmou, indicando o desemprego jovem.

"Em Portugal, mesmo agora, aproximadamente um terço da população ativa jovem continua sem ter emprego", disse, sublinhando que isso "prejudica seriamente a economia".

Segundo o presidente do BCE, é preciso agir com rapidez "para evitar criar uma geração perdida".

Lembrando as medidas adotadas pelo BCE para impulsionar a inflação, com taxas de juro muito baixas e um programa alargado de compra de dívida, Draghi afirmou que o BCE "não pode criar sozinho" as condições para uma recuperação sustentável do crescimento.

Apesar de reconhecer que em muitos países da zona euro a margem orçamental para apoiar o crescimento "é atualmente limitada", o presidente do BCE referiu que se deve "redirecionar a despesa pública para o investimento, investigação e educação".

No campo das reformas, Draghi afirmou que "os esforços desenvolvidos por Portugal foram notáveis e necessários" e que há "sinais claros" de que estão a "dar fruto".

O crescimento "dinâmico" do emprego em 2014 sugere que as reformas do mercado de trabalho estão a tornar a economia mais adaptável, exemplificou.

Para Draghi, "não se justifica anular reformas anteriores. Para além de preservar o que já foi alcançado, são necessárias mais reformas no conjunto da zona euro".

"É essencial acelerar o ritmo de reforma", disse, lembrando que hoje mesmo, o Conselho de Estado vai abordar o Programa Nacional de Reformas.

Menos de um mês depois de ter tomado posse como Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa convocou para hoje a primeira reunião do Conselho de Estado, com a participação de Mario Draghi para apresentar uma exposição "sobre a situação económica e financeira europeia".

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório