Meteorologia

  • 29 SETEMBRO 2020
Tempo
20º
MIN 15º MÁX 29º

Edição

Estamos a caminho de novo resgate? Nos Estados Unidos diz-se que sim

Economistas norte-americanos traçam cenário negro para a economia nacional. 'Batalha' entre o novo Governo de Esquerda e as agência de rating provoca avisos: "As coisas podem ficar feias".

Estamos a caminho de novo resgate? Nos Estados Unidos diz-se que sim

A pressão dos mercados sobre a dívida portuguesa, as negociações difíceis para desenhar o Orçamento do Estado de 2016 e a decisão da Fitch de cortar a perspetiva do rating público não estão a passar despercebidas nos Estados Unidos. Com a economia europeia a recuperar a um ritmo abaixo do esperado e o BCE a não conseguir colocar a inflação perto do objetivo definido, os norte-americanos procuram explicações para as dificuldades e o alvo parece ter sido encontrado: Portugal. 

"Lisboa, temos um problema", começa por dizer o editor de mercados do MarketWatch, numa coluna que levanta a questão: "Será que Portugal pode ser o próximo epicentro da crise de dívida na zona euro?". 

O jornal norte-americano fala nos elevados custos de financiamento da dívida nacional, agravados pela recente subida dos juros no mercado secundário. Citando a economista sénior da Capital Economics  Jennifer McKeown, o MarketWatch avisa que "as coisas podem ficar feias" em Portugal, principalmente se a DBRS decidir rever em baixa o rating soberano nacional. 

O jornal norte-americano fala de "um Governo de Esquerda que se tornou hostil para as agências de rating", arriscando novos cortes na notação com efeitos devastadores nas finanças do Estado. 

A nota positiva da agência de rating canadiana DBRS permite que Portugal continue a ser elegível para o programa de compra de dívida do BCE, essencial na manutenção das baixas taxas de juro das economias periféricas da zona euro. Mesmo assumindo que o BCE já concedeu "exceções a países com dívida classificada como lixo, como por exemplo a Grécia", o jornal dos Estados Unidos lembra as condições do regime excecional: "As exceções só podem ser concedidas aos países que estão sob um programa de ajuda externa e a cumprir os termos acordados". 

"Caso o BCE exclua a dívida portuguesa do seu programa de compra de obrigações, o mais provável é que os investidores fiquem preocupados com a hipótese de bancarrota", avisa o MarketWatch, antes de concluir: "O resultado seria um salto das taxas de juro das Obrigações do Tesouro, possivelmente rumo aos 8% na dívida a 10 anos que forçaram Portugal a pedir um resgate em 2011".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório