Meteorologia

  • 04 ABRIL 2020
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

"É inaceitável" que 35 horas de trabalho semanais só cheguem em julho

O dirigente socialista e da UGT José Abraão contestou hoje que o diploma do PS para a redução do horário semanal para os trabalhadores da administração pública apenas possa entrar em vigor a partir de julho.

"É inaceitável" que 35 horas de trabalho semanais só cheguem em julho
Notícias ao Minuto

20:24 - 09/01/16 por Lusa

Economia UGT

A posição de José Abraão foi transmitida na reunião da Comissão Nacional do PS, mas segundo o que próprio afirmou aos jornalistas não obteve para já qualquer resposta da parte do secretário-geral socialista e primeiro-ministro, António Costa.

No final da reunião, José Abrão considerou "incompreensível e inaceitável" o facto de o projeto de lei do PS sobre as 35 horas de trabalho por semana prever que essa mudança só entre em vigor a partir de julho deste ano.

"Bem sei que em algumas situações é necessário adaptar o número de trabalhadores. Mas, entre os trabalhadores, havia uma enorme expetativa de uma mudança classificada como prioritária", alegou.

De acordo com o dirigente socialista, a UGT "não aceita que um diploma com esta importância, que repõe a justiça no tempo de trabalho, entre em vigor apenas meio ano depois de entrar na Assembleia da República".

"Não faz sentido pedir-se aos trabalhadores para esperarem meio ano. Se isso fosse feito estaríamos a privar mais de meio milhão de trabalhadores da redução do horário de trabalho. Esta é uma das grandes expetativas dos trabalhadores da administração pública e o diploma tem de entrar em vigor o mais rapidamente possível", insistiu o dirigente da UGT.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório