Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 12º MÁX 15º

Edição

Negócio da TAP é “obsessão ideológica” de “privatizar tudo”

O antigo líder da CGTP afirma que “aquilo que existe [na TAP] foi construído com dinheiro dos portugueses” e não pelo investimento de nenhum empresário.

Negócio da TAP é “obsessão ideológica” de “privatizar tudo”

Foi de forma crítica que Carvalho da Silva reagiu na antena da RTP informação, no programa 'Três Pontos', à privatização de 61% da TAP, num negócio acordado com o consórcio Gateway, que juntou David Neeleman e Humberto Pedrosa.

"Nós até este momento conhecemos do processo a interpretação do Governo, que defende a sua dama", disse o antigo líder sindical, defendendo que o negócio por parte do Executivo se trata de "uma obsessão ideológica" de "privatizar tudo" e é de "quem não olha a meios para alcançar fins".

Carvalho da Silva recorda ainda que "estamos à porta de eleições legislativas" e que, na sua expectativa, será provável que PSD e CDS venham a perder eleições.

Ainda assim, as suas críticas vão mais longe no tempo, afetando vários executivos, tanto do PSD como do PS. "Este processo iniciou-se no tempo do Governo do engenheiro Guterres", disse.

Relativamente ao que esperar do futuro da empresa, agora que a maioria do capital deixará de estar sob a tutela do Estado, Carvalho da Silva diz que "precisamos de ouvir outras interpretações, a partir da leitura concreta do que está escrito, e assistir às práticas dos compradores", com o ex-líder da CGTP a alertar que "normalmente as interpretações de uns e outros são bem distintas".

"Acho que não se devia privatizar; ponto final", disse, acrescentando que "não há inevitabilidades. A única inevitabilidade que o ser humano conhece é a morte e mesmo aí as pessoas procuram prolongar a vida".

"A TAP precisa é de investimento", contrapôs ainda, descrevendo o negócio de forma severa: "por 10 milhões de euros, o património da TAP vai-se embora".

"Quanta dívida tem que ser paga até à conclusão do processo?", questionou ainda, num dia em que o ministro da Economia, Pires de Lima, em entrevista à TVI, realçou que a dívida da TAP é de 1.050 milhões.

"Há uma ideia feita na sociedade portuguesa que é preciso desmontar: 'acabou-se o sorvedouro dos dinheiros públicos'". "Isso não é verdade. Um dos problemas que a TAP tem é que não houve injeção de capital nos últimos, muitos, anos", criticou Carvalho da Silva, que considera que "os portugueses não andaram a subsidiar a TAP", mas deixou-se acumular défice por falta de investimento, defendeu.

Já sobre o argumento de que a falta de investimento estatal se deve às regras comunitárias, que o impediriam, Carvalho da Silva considera que “as regras europeias têm tido interpretações diversas”, o que teria permitido outro tipo de atuação dos diversos governos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório