Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2019
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Tecnopolo do Vale do Tejo investe em máquina inovadora no sector agro-alimentar

O Tecnopolo do Vale do Tejo apresentou o primeiro equipamento do País de conservação por aquecimento óhmico, uma tecnologia alternativa à pasteurização convencional.

Tecnopolo do Vale do Tejo investe em máquina inovadora no sector agro-alimentar
Notícias ao Minuto

10:14 - 23/12/12 por Lusa

Economia Abrantes

Instalado no Tecnopolo do Vale do Tejo - Tagus Valley, em Abrantes, este é um equipamento que implicou um investimento de 540 mil euros e que vai ajudar ao desenvolvimento de produtos na área agro-alimentar, ficando disponível para todas as empresas portuguesas que o queiram utilizar e sem terem de investir na aquisição da máquina óhmica.

O aquecimento óhmico é um processo que, por aplicação de corrente eléctrica no alimento, promove o aquecimento do produto.

Este processo de conservação alimentar pode ser usado em sopas, purés, polpas, sumos e pastas, entre outros, e apresenta várias vantagens em relação às tecnologias de pasteurização convencionais, tais como um aquecimento rápido e uniforme.

Segundo informa o tecnopolo, o equipamento não necessita de superfícies para transferência de calor, é ideal para alimentos sensíveis ao stresse térmico, tem controlo simples e com custos de manutenção reduzidos e possibilidade de aumentos de eficiências energéticas.

"As empresas do sector alimentar podem agora fazer experiências no seu processo de fabrico e testar protótipos dos produtos que pretendem lançar no mercado, ao nível da conservação", disse à agência Lusa a presidente da direcção do Tecnopolo.

"É mais um equipamento estruturante para o parque tecnológico e para as empresas do sector", notou Maria do Céu Albuquerque, tendo observado que o mesmo pretende contribuir para o "aumento da competitividade das empresas portuguesas agro-alimentares", que poderão utilizar este processo sem ter que comprar o equipamento.

"Todos os fundamentos, vantagens e as principais aplicações do aquecimento óhmico na indústria alimentar vão estar a partir de agora ao dispor das empresas que necessitem de utilizar esta ferramenta tecnológica, a partir de um processo onde as correntes eléctricas atravessam os alimentos para os aquecer", destacou.

Para Carlos Sousa, do AgroCluster do Ribatejo, este é um "investimento reprodutivo", tendo referido que o mesmo se configura como uma "ferramenta de desenvolvimento e inovação" para o sector alimentar.

"O desafio, agora, é tirar partido deste equipamento e as empresas do sector devem usar e abusar deste recurso que pode e deve assumir uma dimensão nacional, ao serviço das empresas e de Portugal", advogou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório