Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 25º

Wall Street fecha sem rumo mas com mais recordes do S&P500 e Nasdaq

Os índices mais emblemáticos da praça nova-iorquina fecharam com sinais opostos, com novos máximos do Nasdaq e S&P500, com os investidores a mostrarem sinais de abrandamento, mas sem quererem relaxar.

Wall Street fecha sem rumo mas com mais recordes do S&P500 e Nasdaq
Notícias ao Minuto

23:24 - 09/07/24 por Lusa

Economia Wall Street

Os resultados definitivos da sessão indicam que o alargado S&P500 valorizou 0,07% e o tecnológico Nasdaq 0,14%, com este a registar um sexto recorde consecutivo no fecho das transações, enquanto o seletivo Dow Jones Industrial recuou 0,13%.

"O mercado tem sido muito esticado" por esta série de recordes, disse Tom Cahill, da Ventura Wealth Management, considerando que "está a ficar sem fôlego".

Mas, apesar de tudo indicar que está pronta para uma consolidação, mesmo uma correção, Wall Street continua a progredir.

Como tem sido o caso nos últimos meses, o Nasdaq apoia-se em alguns valores tecnológicos, desde logo, o conglomerado dos microprocessadores Nvidia (+2,48%), mas também a Intel (+1,77%) e a Micron (+0,34%).

Já o S&P500, além dos tecnológicos, beneficiou também dos valores bancários, como Citigroup (+2,80%), JPMorgan Chase (+1,20%) e Wells Fargo (+1,47%), bancos estes que vão apresentar na sexta-feira os seus resultados trimestrais.

Na macroeconomia, os investidores esperam a divulgação do índice de preços no consumidor nos EUA, relativo a junho, na quinta-feira, que vai dar sinais sobre a evolução da inflação.

"O mercado já integrou tantas boas notícias que qualquer elemento negativo" no plano macro ou microeconómico "pode fazê-lo refluir mais do que seria razoável, porque subiu muito e muito depressa", avisou Tom Cahill.

Hoje, durante uma audição no Senado, o presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, indicou a instituição estava agora mais vigilante à degradação do mercado de trabalho.

"Estamos conscientes do facto de os riscos estarem agora dos dois lados", isto é, uma subida da inflação e um enfraquecimento do emprego, disse.

Contudo, "ninguém está à espera que a Fed altere a sua taxa de juro na sua próxima reunião", em 30 e 31 de julho, preveniu Tom Cahill, que espera que a autoridade monetária indicie que uma baixa pode estar para breve.

Os operadores de mercado atribuem uma probabilidade de 73% a uma primeira redução da taxa de juro de referência do banco central dos EUA na reunião do seu comité de política monetária em 17 e 8 de setembro.

Leia Também: Wall Street fecha sem direção mas com recordes do S&P500 e do Nasdaq

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório