Meteorologia

  • 25 JULHO 2024
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 28º

Greenvolt regista prejuízo de 2,7 milhões de euros no primeiro trimestre

A Greenvolt registou um prejuízo de 2,7 milhões de euros no primeiro trimestre, anunciou hoje a empresa de energias renováveis, prometendo "uma melhoria significativa da atividade e da rentabilidade ao longo do ano".

Greenvolt regista prejuízo de 2,7 milhões de euros no primeiro trimestre
Notícias ao Minuto

06:27 - 25/06/24 por Lusa

Economia Greenvolt

A empresa, liderada por João Manso Neto, apontou o dedo aos "preços baixos da eletricidade no Reino Unido, penalizando o segmento da biomassa, e ausência de operações de rotação de ativos" de geração de energia.

Estes fatores "levaram o resultado líquido atribuível à Greenvolt, excluindo o efeito das operações descontinuadas, a cifrar-se em 1,5 milhões de euros negativos, sendo o resultado líquido total atribuível ao grupo de menos 2,7 milhões de euros", indicou em comunicado.

A empresa disse que as receitas totais subiram quase 60%, para 101,6 milhões de euros, enquanto o EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) caiu 21%, para 18,7 milhões de euros.

Na mesma nota, a Greenvolt defendeu que os resultados do primeiro trimestre não representam as expectativas (...) para o conjunto de 2024, antecipando-se uma melhoria significativa da atividade e da rentabilidade ao longo do ano".

Apesar dos prejuízos, a empresa destacou o "forte crescimento do segmento de 'utility scale' e da geração distribuída", assim como a aquisição de uma central de biomassa com uma capacidade de 28 megawatts de eletricidade e 25 megawatts térmicos de calor.

Manso Neto disse que "em Portugal, a meteorologia acabou por afetar a geração de energia" e na Alemanha foram sentidas "condições meteorológicas adversas que forçaram o adiamento dos trabalhos nos projetos da MaxSolar", acrescentou.

A empresa mudou de mãos no início de junho, depois do lançamento de uma oferta pública de aquisição por parte da Kohlberg Kravis Roberts & Co (KKR), que já garantiu uma posição de 82% na empresa.

"A robustez financeira ímpar conferida pela KKR" dá à Greenvolt "um apoio vigoroso" para "mais e melhores oportunidades de investimento", defendeu Manso Neto, na nota.

A oferta de compra da Greenvolt foi lançada em 21 de dezembro pelo fundo de investimento em infraestruturas Gamma Lux, com sede no Luxemburgo e gerido pela KKR, tendo a Autoridade da Concorrência dado 'luz verde' à operação no final de fevereiro.

Leia Também: João Manso Neto reconduzido a presidente executivo na Greenvolt

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório