Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 29º

Lula critica Banco Central por interromper ciclo de queda dos juros

O Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, criticou hoje o Banco Central do país que interrompeu uma sequência de quedas das taxas dos juros básicos na quarta-feira.

Lula critica Banco Central por interromper ciclo de queda dos juros
Notícias ao Minuto

19:16 - 20/06/24 por Lusa

Mundo Brasil

"Foi uma pena que o Copom [Comité de Política Monetária do Banco Central brasileiro] manteve [a taxa de juros], porque quem está perdendo com isso é o Brasil, é o povo brasileiro, porque quanto mais a gente pagar de juros menos dinheiro a gente tem para investir aqui dentro", afirmou Lula da Silva numa entrevista a rádio Verdinha, do Ceará.

Na quarta-feira, o Banco Central brasileiro manteve a taxa de juros básicos do país em 10,5%, uma das mais altas do mundo.

A decisão de encerrar o ciclo de redução das taxas referenciais de juros foi tomada apesar de a inflação permanecer sob certo controlo no Brasil. Nos primeiros cinco meses de 2024, a inflação acumulou 2,27%, e segundo o próprio Banco Central brasileiro, a tendência indica que permanecerá dentro da meta estabelecida para este ano, que foi fixada em 3%, com tolerância de margem de 1,5 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Na entrevista, Lula da Silva também voltou a criticar a autonomia que o Banco Central tem desde 2020, após uma polémica reforma aprovada pelas câmaras legislativas e disse que esta iniciativa só ajudou "o mercado e os banqueiros".

O Presidente brasileiro argumentou que "a maior parte do crédito do país é concedido pelos bancos públicos, porque os bancos privados preferem ganhar dinheiro com os juros elevados" mantidos pelo Banco Central.

Desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2023, Lula da Silva mantém uma posição crítica em relação ao órgão liderado por Roberto Campos Neto e por causa dos juros elevados, que, segundo o Presidente brasileiro, só beneficiam "os especuladores do mercado financeiro".

O Banco Central brasileiro é atualmente dirigido por Roberto Campos Neto, indicado para o cargo pelo ex-presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro (2019 -- 2022) e cujo mandato termina no final deste ano.

Leia Também: FMI antevê retoma do crescimento na zona euro e propõe ao BCE que baixe taxas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório