Meteorologia

  • 23 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 23º MÁX 37º

Gaia. Nova estação para alta velocidade construída a 60m de profundidade

A estação de Santo Ovídio, em Vila Nova de Gaia, integrada no projeto de alta velocidade Porto-Lisboa, terá plataformas de mais de 400 metros de comprimento e será construída a cerca de 60 metros de profundidade, foi hoje descrito.

Gaia. Nova estação para alta velocidade construída a 60m de profundidade
Notícias ao Minuto

14:24 - 20/06/24 por Lusa

Economia Vila Nova de Gaia

"Será a estação de maior complexidade que fizemos em Portugal", disse o vice-presidente da Infraestruturas de Portugal (IP) na apresentação do Plano de Pormenor Estação de Gaia - Santo Ovídio - Projeto de Alta Velocidade Porto-Lisboa que esta manhã decorre em Vila Nova de Gaia.

A nova estação será subterrânea, terá plataformas de mais de 400 metros de comprimento e será construída a cerca de 60 metros de profundidade, estando prevista a construção de dois edifícios de passageiros.

A estação terá ligação às linhas do metro Amarela (Hospital São João-Santo Ovídio, estando em construção o prolongamento a Vila D'Este) e Rubi (em construção para ligar Casa da Música, Campo Alegre, Arrábida, Candal, Rotunda, Devesas, Soares dos Reis e Santo Ovídio), bem como a autocarros.

Na apresentação, Carlos Fernandes e o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, explicaram o porquê de ter sido incluído no projeto esta nova estação, com o vice-presidente da IP a lembrar que "se todos os passageiros que pretendem chegar à Área Metropolitana do Porto (AMP) saíssem em Campanhã, o escoamento seria difícil".

No projeto original, feito na primeira década do século XXI, a última paragem antes de Campanhã, no Porto, era em Aveiro, mas "a reconfiguração da AMP nas últimas décadas permitiu mostrar que haverá sempre constrangimentos nas travessias", disse o autarca Eduardo Vítor Rodrigues.

"Estamos aqui hoje porque existe uma necessidade técnica, justificada tecnicamente, de fazer uma estação em Vila Nova de Gaia. A estação de Vila Nova de Gaia não é um emblema. O que se quis fazer foi contribuir para melhor mobilidade", referiu o autarca.

Sobre o projeto de alta velocidade, Eduardo Vítor Rodrigues considerou que "é a obra mais importante do país".

"Do meu ponto de vista não é sequer o novo aeroporto [a obra mais importante]. Verdadeiramente o que vai trazer coesão ao país é a ferrovia", referiu.

Ainda sobre a nova estação, o arquiteto Joan Busquets, autor do projeto da nova infraestrutura, revelou que será requalificado um curso de água no vale de Quebrantões e "a sombra será um elemento dominador".

Segundo Busquets, a nova estação terá um vestíbulo para deixar entrar a luz a exemplo de projetos de Paris (França) ou de Nova Iorque (Estados Unidos da América) que recorreram às mesmas soluções de luminosidade.

"Queremos maximizar a relação entre os quarteirões existentes e os novos espaços", disse.

Destacando o "respeito pelo verde" e a ligação entre o Jardim do Morro e Santo Ovídio, para António Miguel Castro, da empresa Gaiurb - Urbanismo e Habitação, "este projeto representa um novo modelo de desenvolvimento da cidade".

A linha de alta velocidade deverá ligar Porto e Lisboa em cerca de uma hora e 15 minutos.

O concurso público para o lote 1 (Porto-Oiã) da primeira fase foi lançado em janeiro, e o do lote dois (Oiã-Soure) deverá ser lançado este mês.

A fase 3 (Soure-Carregado) deverá ser lançada em 2026.

Prevê-se a realização de 60 serviços por dia e por sentido, dos quais 17 serão diretos, nove com paragens nas cidades intermédias (Leiria, Coimbra, Aveiro e Gaia, e 34 serviços mistos (com ligação à rede convencional).

O projeto prevê transportar 16 milhões de passageiros por ano na nova linha e na atual Linha do Norte, dos quais cerca de um milhão que atualmente fazem a viagem de avião.

Paralelamente, está também a ser projetada a ligação do Porto a Vigo, na Galiza (Espanha), com estações no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, Braga, Ponte de Lima e Valença (distrito de Viana do Castelo).

No total, segundo o anterior Governo, os custos do investimento no eixo Lisboa-Valença rondam os sete a oito mil milhões de euros.

Leia Também: Norte de Portugal e Galiza preparam manifesto sobre alta velocidade

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório