Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
24º
MIN 16º MÁX 28º

Economias africanas devem crescer 3,5% este ano e 4% em 2025

As economias africanas devem crescer no conjunto cerca 3,5% em 2024 e, apesar da volatilidade do ambiente económico global, continuar a crescer moderadamente, cerca de 4%, em 2025, prevê o Banco Africano de Exportação e Importação.

Economias africanas devem crescer 3,5% este ano e 4% em 2025
Notícias ao Minuto

18:57 - 12/06/24 por Lusa

Economia África

Os dados constam do Relatório sobre as Perspetivas Económicas e de Comércio de África para 2024, apresentado hoje em Nassau, no primeiro dia de trabalhos das Reuniões Anuais do Banco Africano de Exportação e Importação (Afreximbank), por Yemi Kale, economista chefe da instituição.

O evento, que decorre na capital das Bahamas até à próxima sexta-feira, e que coincide com o 3.º Fórum de Comércio e Investimento Afro-Caribenho (ACTIF2024), pretende potenciar as relações económicas e comerciais das duas regiões.

"Os desafios globais em curso prejudicaram o desempenho do comércio africano, que registou uma contração de 6,3% em 2023, contra uma expansão de 15,9% em 2022, enquanto o comércio intra-africano aumentou 3,2% no mesmo período", detalha o documento.

Com exceção da África do Norte e de partes da África Oriental, as sub-regiões assistiram a um abrandamento económico, resultante de um crescimento global mais lento e de preços mais elevados da energia, em especial do petróleo bruto.

"As pressões inflacionistas e as condições financeiras globais mais restritivas contribuíram para a volatilidade das moedas na maioria dos países africanos", acrescenta-se no documento.

Quanto ao produto interno bruto (PIB), as economias africanas registaram em 2023 um crescimento médio combinado de 3,2%, abaixo dos 4% registados em 2022.

"O ritmo da recuperação mundial após a pandemia de covid-19 foi mais forte do que o previsto em 2023, mas abrandou moderadamente nos últimos meses. A modesta recuperação da produção mundial foi impulsionada principalmente pelas economias em desenvolvimento, que registaram taxas de crescimento superiores à média mundial, em especial entre 2022 e 2023", sinaliza-se no documento.

O reforço da capacidade de resistência global de África ao crescimento "implica agir sobre fatores externos e internos, incluindo a redução das vulnerabilidades macroeconómicas e a melhoria dos quadros institucionais e de governação".

"Mais do que atuar como um amortecedor eficaz para isolar o continente do impacto adverso da volatilidade global, a aplicação efetiva da Zona de Comércio Livre Continental Africana contribuirá para acelerar o processo de transformação estrutural das economias africanas", antecipa-se no documento.

Mais de 3 mil delegados, incluindo chefes de Estado e de Governo de África e Caraíbas, iniciaram hoje, em Nassau as Reuniões Anuais do Afreximbank (AAAm2024) e o 3.º Fórum de Comércio e Investimento Afro-Caribenho (ACTIF2024).

Os dois eventos decorrem sob o tema "Donos do Nosso Destino: Prosperidade Económica na Plataforma da África Global", e terão painéis de debate centrados na definição de soluções para os desafios que afetam as economias da África e das Caraíbas.

A organização anunciou que pretende concluir mais de 25 acordos de investimento no que será um primeiro passo para a criação de um Acordo de Comércio Livre Afro-Caribenho.

Leia Também: Mais de 3 mil delegados em fórum de promoção de comércio afro-caribenho

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório