Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 38º

Timor-Leste poderá começar a vender "créditos" de carbono

A União Europeia está a trabalhar com Timor-Leste para começar a vender créditos de carbono para aumentar a resiliência às alterações climáticas e o rendimento dos agricultores, disse o embaixador da organização europeia em Díli, Marc Fiedrich.

Timor-Leste poderá começar a vender "créditos" de carbono
Notícias ao Minuto

07:03 - 01/06/24 por Lusa

Economia União Europeia

"Este é basicamente um conceito em que as empresas que poluem em alguma parte do mundo podem comprar créditos de carbono a lugares onde as pessoas têm meios para plantar árvores e Timor-Leste tem", afirmou em entrevista à Lusa o diplomata.

A ideia visa incentivar os agricultores a práticas agrícolas que permitam a captura de carbono da atmosfera, que passam pela plantação de árvores ou sebes, cultivo de leguminosas e até pela florestação ou reflorestação, recebendo depois os "créditos" pelo carbono que deixou de ser emitido.

"Os agricultores aqui em Timor obtêm pequenos montantes por plantar árvores e cuidar delas aos longo dos anos, documentando que aquelas árvores ainda lá estão e a crescer", explicou Marc Fiedrich.

Para o embaixador, a agricultura de carbono é um "importante incentivo" para o país para que os "agricultores plantem árvores" e para que "Timor-Leste permaneça um dos países onde o desmatamento não é o principal problema".

Marc Fiedrich referia-se ao projeto de Assistência Técnica de Apoio à Agricultura de Carbono, que visa desenvolver as capacidades das autoridades e privados para aceder ao mercado internacional do carbono, para aumentar a resiliência às alterações climáticas, mas também os rendimentos dos pequenos agricultores.

O diplomata destacou, também, que pode haver novidades para o setor do café, principal produto de exportação do país, sem contar com o petróleo e com o gás, pela forma como é produzido.

Segundo o embaixador, Timor-Leste deverá conseguir cumprir a nova regulamentação europeia sobre desmatamento, na qual basicamente a União Europeia quer garantir que os produtos agrícolas que entram no seu espaço são produzidos de forma que não levem ao corte de árvores.

"Aqui, em Timor-Leste, seremos capazes de cumprir essa regulamentação sem muitas dificuldades, pois muitos agricultores já produzem de maneira, que podem documentar, que não há impacto nas florestas", salientou Marc Fiedrich.

O café de Timor-Leste é considerado um dos mais sustentáveis do mundo, não só devido ao clima do país e às características do solo, mas também porque cresce debaixo de um coberto florestal.

O embaixador destacou também que a União Europeia é "realmente parceiro" de Timor-Leste na abordagem à mudança climática, salientando que o país é muito ativo nas negociações internacionais e fala em nome dos países menos desenvolvidos e dos pequenos estados insulares.

Leia Também: UE considera desenvolvimento em Timor-Leste "muito positivo"

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório