Meteorologia

  • 20 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 15º MÁX 22º

União de Sindicatos de Setúbal contesta lay-off na Autoeuropa

A União de Sindicatos de Setúbal (USS) defendeu hoje que a Autoeuropa não devia recorrer ao `lay-off´ para a modernização da fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela, porque não se trata de nenhuma crise empresarial.

União de Sindicatos de Setúbal contesta lay-off na Autoeuropa
Notícias ao Minuto

18:16 - 23/05/24 por Lusa

Economia Autoeuropa

"Não concordamos com o recurso ao lay-off. Entendemos que se este lay-off avançar será uma aplicação abusiva da lei. Um processo lay-off só deve acontecer numa situação de crise empresarial, não para uma modernização da empresa, que, no caso da Autoeuropa, até já estava programada", disse o coordenador da USS, Luís Leitão.

O sindicalista falava à agência Lusa pouco depois de ter sido recebido no Centro Distrital de Segurança Social de Setúbal (CDSSS) para manifestar a posição daquela estrutura sindical afeta à CGTP/IN e para tentar saber se o recurso da Autoeuropa ao lay-off vai ser viabilizado.

"Na Segurança Social disseram-nos que ainda não tinham conhecimento deste processo, a não ser pelo que já tinha sido noticiado pela comunicação social", disse o coordenador da USS, adiantando que vai solicitar a intervenção da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).  

"Vamos pedir a fiscalização do processo para se perceber se está tudo a ser cumprido dentro da legalidade. Entendemos que se este lay-off avançar será uma aplicação abusiva da lei, porque o lay-off só deve ser aplicado numa situação de crise e não no âmbito de um projeto de modernização, que, neste caso, até já estava programado", sublinhou.

A Autoeuropa anunciou no passado dia 09 de maio a intenção de recorrer ao lay-off num período de oito dias no mês de junho e de 13 dias no mês de julho, no âmbito da modernização da fábrica de Palmela, no distrito de Setúbal,

Algumas alterações previstas destinam-se a preparar a fábrica para a produção de novos modelos de automóveis. Outras, que se inserem na estratégia de descarbonização das unidades industriais do grupo alemão `Zero Impact Factory´, visam alcançar uma redução de 85% nas emissões de CO2.

Segundo revelou a comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, os trabalhadores em lay-off não vão ter qualquer quebra de rendimentos, uma vez que os salários e subsídios de turno serão assegurados com o pagamento de 46,6% do salário e subsídio de turno pela Segurança Social, e de 33,4% pela empresa, sendo os restantes 20% compensados através de `down days´ que, na prática, também são pagos pela Autoeuropa.

Leia Também: Autoeuropa garante salário e subsídio de turno a trabalhadores em lay-off

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório