Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 24º

Funcionário que perdeu salário por roubo de saco tinha "outros processos"

Em causa está o caso de um funcionário que ia levar saco de plástico sem pagar e que perdeu metade do seu salário.

Funcionário que perdeu salário por roubo de saco tinha "outros processos"
Notícias ao Minuto

18:27 - 22/05/24 por Notícias ao Minuto

Economia Continente

O Continente defendeu, esta quarta-feira, que os "deveres e direitos dos colaboradores são claros e transparentes", em reação a uma notícia hoje avançada pelo Jornal de Notícias e que dava conta de que um funcionário, que foi apanhado a levar um saco de plástico do supermercado sem o pagar, foi suspenso por 15 dias e perdeu metade do seu salário e de antiguidade.

A empresa ressalva, assim, que o homem, durante a sua colaboração com o Continente, "foi alvo de outros processos", sendo um deles tentativa de furto. Não obstante, "trabalhou na organização durante 23 anos, até atingir a idade da sua reforma".

"O Continente é um dos maiores empregadores nacionais, atualmente com 40 mil colaboradores. Os deveres e direitos dos colaboradores são claros e transparentes. O Continente rege-se pelo estrito cumprimento da lei, pela defesa dos interesses da empresa, bem como pelo respeito e proteção de todos os seus colaboradores", refere a empresa, numa nota enviada ao Notícias ao Minuto

De notar que, na edição desta quarta-feira, o Jornal de Notícias deu conta de que o caso foi levado ao Supremo Tribunal de Justiça que, no passado mês de maio, anulou a sanção a disciplinar, por a considerar "desproporcional".

Os factos remontam a 2021, tendo o trabalhador justificado que precisava do saco para transportar a farda de trabalho para casa. O homem entrou com uma ação no Tribunal de Cascais para contestar a decisão, mas o tribunal não lhe deu razão, tendo avançado assim com um recurso para a Relação de Lisboa, que considerou que o castigo era "desproporcional".  Após a decisão da Relação de Lisboa, o Continente  decidiu recorrer para o Supremo, que deu razão ao funcionário.

Em reação à notícia, o Continente recorda que "a decisão disciplinar aplicada pela empresa foi confirmada pelo Tribunal de Cascais. A sua licitude mereceu pareceres favoráveis por parte do Ministério Público junto do Tribunal da Relação de Lisboa e do Supremo Tribunal de Justiça". 

Além disso, refere que "o colaborador em causa já não está ao serviço da empresa, tendo trabalhado na nossa organização durante 23 anos, até atingir a idade da sua reforma" e alega que, "durante a sua colaboração com a empresa, foi alvo de outros processos". "Um destes processos foi motivado pela tentativa de furto de um produto que se encontrava à venda na loja", lê-se na mesma nota.

Leia Também: Hoje é notícia: Tira meio salário por saco; Taylor pede 100 garrafas

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório