Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
28º
MIN 17º MÁX 30º

Remunerações de colaboradores de 'call centers' aumentaram em 2023

A remuneração média mensal dos operadores atingiu os 932 euros, um acréscimo de 4,7% em relação a 2022. Já os supervisores passaram a ganhar 1.230 euros, em vez de 1.101, mais 11,7%.

Remunerações de colaboradores de 'call centers' aumentaram em 2023
Notícias ao Minuto

09:57 - 22/05/24 por Notícias ao Minuto

Economia Call center

As remunerações de colaboradores de 'contact centers', também denominados como 'call centers', aumentaram em 2023, "atingindo os 932 euros" no caso dos operadores e 1.230 nos cargos de supervisão, segundo o Estudo de Caracterização e Benchmarking da Atividade de Contact Centar em Portugal.

O estudo - realizado pela Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC), em parceria com a consultora Empathy Believer - indicou que "a remuneração média mensal dos operadores retomou, em 2023, a trajetória de crescimento que se vinha a registar, atingindo os 932 euros, um acréscimo de 4,7% em relação a 2022"

Já no caso de supervisores, "verificou-se um crescimento ainda mais significativo, de 1.101 euros para 1.230 euros (+11,7% comparativamente a 2022)".

"No que respeita aos rácios de outras remunerações face às remunerações brutas mensais, registou-se um novo crescimento, entre os operadores (de 18% para 20%), mantendo-se o rácio de 24% para os supervisores", lê-se num comunicado enviado pela APCC às redações, que indica ainda que "o género feminino continua a predominar tanto entre os operadores, com 66%, como entre os supervisores, com 61%".

Lisboa continua a liderar na área dos recursos humanos, concentrando 59,5% dos colaborares. Segue-se o Porto (com 20,2%) e Braga (com 7,3%).

Foram ainda reveladas estatísticas sobre os regimes contratuais, que indicam que o "contrato sem termo (50,7%) continua a registar o valor mais elevado". O trabalho temporário reduziu de 5,6% para 3,4% e os regimes de prestação de serviços de 1,6% para 0,7%. 

"O estudo mostra que em 2023 continuou a registar-se uma redução do trabalho 100% remoto, que passou de 30% para 27%, e o aumento de 32% para 35% do regime 100% presencial. Os regimes híbridos mantiveram a percentagem mais elevada, com 38%.", lê-se.

Para 2024, prevê-se uma nova redução do regime 100% remoto (de 27% para 25%) e uma estabilização do regime 100% presencial (35%). Já nos regimes híbridos prevê-se um crescimento de 38% para 40%.

Leia Também: Juros da dívida de Portugal sobem a dois, a cinco e a 10 anos

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório