Meteorologia

  • 18 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 21º

"Há expectativa de, em junho, termos uma baixa da taxa de juro"

Paulo Macedo acredita que os juros do BCE descem em junho, mas reconhece que o futuro é ainda "incerto".

"Há expectativa de, em junho, termos uma baixa da taxa de juro"
Notícias ao Minuto

23:50 - 20/05/24 por Notícias ao Minuto

Economia Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, manifestou expectativa de que o Banco Central Europeu (BCE) possa descer as taxas de juro já em junho, admitindo que essa "tendência" se deverá manter ao longo ano, mas ressalvando que esse é um futuro ainda "incerto". 

"Acho que, de acordo com a informação que tem vindo a ser divulgada, acho que há uma expectativa, que se pode concretizar, de, em junho, termos uma baixa da taxa de juro", começou por dizer Paulo Macedo, numa entrevista à CNN Portugal, transmitida esta segunda-feira. 

"O próprio governador do Banco de Portugal também já emitiu essa opinião e também me parece que se justifica face aos números que são conhecidos da inflação e, por outro lado, por uma coisa que todos nós sabemos que é muito importante, que são as expectativas dadas ao mercado e aos investidores", acrescentou, referindo que seria lançada "mais alguma confusão se essa descida não se realizasse"

O presidente da Comissão Executiva da CGD admitiu que outra coisa "mais duvidosa" e "incerta" são os "outros movimentos que vão acontecer durante o ano", mas disse acreditar que a "tendência" será de descida.

"Acredito que a tendência será essa, até porque a inflação vai nesse sentido. Portanto, a menos que haja algum evento ainda mais extraordinário do que os que têm acontecido, será essa e justifica-se perfeitamente porque a inflação na Europa está a baixar e os números vão nesse sentido", apontou, frisando ainda que "a Europa precisa de investir e de taxas de juro mais baixas".

Paulo Macedo reconheceu que esta descida das taxas de juro irá afetar a rentabilidade dos capitais da banca, mas ressalvou: "Vai afetar, com certeza haverá menos proveitos, mas também lembro que a banca e designadamente a CGD, quando as taxas de juro eram negativas também deu resultados positivos".

"Os proveitos vão ser menores e isso vai-se sentir gradualmente", admitiu, reforçando a importância da "gestão rigorosa dos custos". 

Recorde-se que na reunião de política monetária de 10 e 11 de abril, o conselho do BCE decidiu manter as taxas de juro inalteradas pela quinta vez consecutiva, mas começou a preparar terreno para uma possível descida em junho se a inflação continuar a sua dinâmica de descida.

Leia Também: Miranda Sarmento defende maior redução das taxas de IRS no 6.º escalão

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório