Meteorologia

  • 29 MAIO 2024
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 29º

Direito à reparação. "Será mais fácil e barato reparar em vez de comprar"

Os Estados-membros terão dois anos para transpor para a legislação nacional as novas regras.

Direito à reparação. "Será mais fácil e barato reparar em vez de comprar"
Notícias ao Minuto

08:47 - 24/04/24 por Notícias ao Minuto com Lusa

Economia Direito à reparação

O Parlamento Europeu aprovou, na terça-feira, uma nova lei comunitária sobre o 'direito à reparação', que clarifica as obrigações dos fabricantes de reparar bens e incentiva os consumidores a alargar o ciclo de vida de um produto através da reparação.

"O direito dos consumidores à reparação de produtos tornar-se-á agora uma realidade. Será mais fácil e mais barato reparar em vez de comprar objetos novos e caros. É uma conquista significativa para o Parlamento e para o seu compromisso de capacitar os consumidores na luta contra as alterações climáticas", comentou depois da votação o relator da assembleia, o deputado socialista alemão René Repasi.

As novas regras, que os Estados-membros terão dois anos para transpor para a legislação nacional, foram aprovadas de forma esmagadora pelos eurodeputados, com 584 votos a favor, três votos contra e 14 abstenções, durante a última sessão plenária da atual legislatura (2019-2024), que decorreu na cidade francesa de Estrasburgo.

O eurodeputado vincou que "a nova legislação prorroga as garantias jurídicas por 12 meses quando se opta pela reparação, proporciona um melhor acesso a peças sobresselentes e assegura uma reparação mais fácil, mais barata e mais rápida".

As novas regras introduzem um novo direito à reparação, visam limitar os resíduos e reforçar o setor da reparação, facilitando o conserto de bens e tornando-o economicamente mais viável.

De acordo com a nova diretiva, os fabricantes terão de fornecer peças sobresselentes e ferramentas a um preço razoável e serão proibidos de recorrer a cláusulas contratuais, técnicas de 'hardware' ou 'software' que impeçam a reparação, e não podem impedir o uso de peças sobresselentes em segunda mão ou impressas em 3D por oficinas de reparação independentes, nem recusar-se a reparar um produto apenas por razões económicas ou por este ter sido previamente reparado por outra pessoa.

Leia Também: Eurodeputados aprovam nova lei sobre "direito à reparação" de produtos

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório