Meteorologia

  • 23 MAIO 2024
Tempo
16º
MIN 12º MÁX 24º

Adjudicado o que deve ser o último serviço alternativo ao Ramal da Lousã

A Metro Mondego adjudicou na segunda-feira a prestação de transporte rodoviário em alternativa ao Ramal da Lousã, naquele que espera ser o último contrato do género, mais de 14 anos depois do fim do tráfego ferroviário naquele troço.

Adjudicado o que deve ser o último serviço alternativo ao Ramal da Lousã
Notícias ao Minuto

10:25 - 16/04/24 por Lusa

Economia Coimbra

Em 14 anos desde o fim do Ramal da Lousã, a Metro Mondego suportou "12,9 milhões de euros de défice com os serviços alternativos", afirmou fonte da Metro Mondego (MM), quando questionada pela agência Lusa sobre o assunto.

A MM adjudicou, após concurso público, os serviços alternativos à empresa ETAC, por cerca de um milhão de euros, num contrato com uma duração de 214 dias (sete meses), de acordo com o procedimento publicado no portal da contratação pública Base, que a Lusa consultou.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da MM explicou, em resposta escrita, que o contrato diz respeito ao período entre 01 de junho e 31 de dezembro, tendo já sido submetido ao Tribunal de Contas para visto prévio.

"Este contrato não prevê prolongamentos e não estamos a trabalhar com qualquer cenário em que os serviços alternativos se prolongam para lá de 31 de dezembro", vincou a mesma fonte.

Nesse sentido, a MM espera que este seja o último serviço alternativo ao Ramal da Lousã, entre Serpins (concelho da Lousã) e Coimbra, antes da entrada em funcionamento do Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM).

A MM conta arrancar com a operação entre Serpins e a Portagem (Coimbra) até ao final do ano.

O tráfego ferroviário entre Serpins e Coimbra foi encerrado em janeiro de 2010 para o ramal dar lugar àquilo que inicialmente era um projeto de metro ligeiro de superfície, mas que evoluiu para um sistema de autocarros elétricos a circular em via dedicada.

O SMM consiste na implementação de troços de via dedicada (com algumas exceções em Coimbra), onde vão circular autocarros elétricos que irão operar no antigo ramal ferroviário da Lousã, e na área urbana de Coimbra, ligando esta cidade a Serpins, com passagem em Miranda do Corvo e Lousã, numa extensão de 42 quilómetros.

A operação no troço suburbano deve arrancar no final de 2024 e na cidade de Coimbra em 2025, segundo a Metro Mondego.

Leia Também: "Sucesso e estabilidade": CP reage à elevação de rating pela Moody’s

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório