Meteorologia

  • 21 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 20º

Trabalhadores em vigília acusam EDP de não querer negociar aumentos

Cerca de vinte trabalhadores da EDP estão hoje concentrados, em vigília, junto à sede da elétrica, em Lisboa, por melhores salários, acusando a empresa de não querer negociar com os sindicatos há cerca de cinco meses.

Trabalhadores em vigília acusam EDP de não querer negociar aumentos
Notícias ao Minuto

22:31 - 09/04/24 por Lusa

Economia EDP

Pelas 20h00, os trabalhadores começaram a juntar-se em frente à sede da EDP, na Avenida 24 de Julho, onde instalaram algumas tendas e depositaram um caixão.

"Estamos em greve vai fazer cinco meses. Tentámos negociar com a EDP a subida das carreiras e alertámos [...] que os trabalhadores estavam a ser penalizados com a subida do salário mínimo", apontou à Lusa o secretário-geral do Sindicato Nacional da Indústria e Energia (Sindel), Rui Miranda.

De acordo com o sindicalista, a empresa está a contratar trabalhadores com um salário superior ao daqueles que já estão na EDP há vários anos, recusando-se a negociar aumentos para estes últimos.

Posto isto, os sindicatos representativos dos trabalhadores da EDP apresentaram um caderno reivindicativo à elétrica.

No entanto, Rui Miranda lamentou que a empresa se tenha recusado a negociar há cerca de cinco meses, criticando os argumentos apresentados pela elétrica de que, em comparação com outras empresas, o salário é elevado.

Segundo o secretário-geral do Sindel, em período de negociações foi entregue "um ato de gestão de 3%" para os trabalhadores, enquanto a administração que tem "vencimentos absurdos, tem um aumento de 15%", destacando que o salário do presidente "ultrapassa os dois milhões de euros", enquanto os trabalhadores recebem "pouco acima de 1.000 euros".

Rui Miranda espera que o que aconteceu no ano 2000 se repita, que é: "o presidente descer e dizer que os sindicatos realmente têm razão", referindo ainda que é necessária uma tabela salarial que permita à EDP "ir ao mercado de trabalho e recrutar aqueles que interessam para uma empresa como esta".

"Nós estamos a falar de trabalhadores na energia [...] olhem para estas pessoas com muito respeito [...]. Nós tivemos os incêndios, as tempestades e ninguém sentiu a falta de energia porque estes homens trabalharam dia e noite em prol da sociedade", disse o secretário-geral do Sindel em declarações à Lusa.

Os trabalhadores da EDP vão estar o mês todo em greve e na quarta-feira "vai sair um documento assinado por todos os sindicatos para a OIT [Organização Internacional do Trabalho], para também pressionar as organizações internacionais" porque a "concertação social paga-se" e a EDP deve "ter um cuidado muito grande em termos da parte social", vincou.

O dirigente sindical considerou ainda que "ninguém ganha [com as greves]", e que a EDP deve aproximar-se do caderno reivindicativo que os sindicatos apresentaram.

"Há cerca de mais ou menos dois meses têm a coragem de pedir aos sindicatos se não seria melhor adiantar o subsídio de férias dos trabalhadores porque alguns estavam a passar necessidades", avançou o secretário-geral, acusando a empresa de ter "dois discursos".

Os trabalhadores da EDP estão em greve ao trabalho extraordinário desde 01 de dezembro e vão concentrar-se, em Lisboa, no dia 10 de abril, junto à assembleia-geral de acionistas da empresa para mostrar o seu descontentamento ao grupo e reivindicar melhores condições de trabalho.

O Sindel lamentou que os trabalhadores tenham sido empurrados para a greve e espera agora que a administração da EDP adote um "comportamento diferente" perante os protestos dos trabalhadores.

O sindicato tem uma reunião agendada com a empresa para dia 15 de abril, na qual vão ser abordados temas como a avaliação de desempenho.

A Lusa contactou a EDP, mas ainda não obteve resposta.

Leia Também: Bolsa de Lisboa em alta com EDP a subir 0,75% e Jerónimo Martins a descer

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório