Meteorologia

  • 15 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 22º

Bolsa de Lisboa em alta com EDP e Altri a subirem mais de 3%

A bolsa de Lisboa negociava hoje em alta, com 13 das 16 ações do PSI a subirem, lideradas pelas da EDP e da Altri que se valorizavam 3,38% para 3,58 euros e 3,27% para 5,11 euros.

Bolsa de Lisboa em alta com EDP e Altri a subirem mais de 3%
Notícias ao Minuto

09:40 - 22/03/24 por Lusa

Economia Mercado

Cerca das 09h25 em Lisboa, o PSI avançava 0,94% para 6.237,09 pontos, com 13 'papéis' a subir, dois a descer (Jerónimo Martins -0,53% para 18,77 euros e Galp -0,36% para 15,14 euros) e um a manter a cotação (Ibersol em 6,54 euros).

Às ações da EDP e da Altri - que na quinta-feira divulgou os resultados anuais - seguiam-se as da EDP Renováveis, Semapa e REN, que se valorizavam 1,90% para 12,89 euros, 1,68% para 14,42 euros e 1,40% para 2,18 euros, respetivamente.

As ações da NOS, Sonae e Mota-Engil subiam 1,09% para 3,54 euros, 1,04% para 0,88 euros e 0,79% para 5,09 euros.

A Navigator, CTT e Corticeira Amorim valorizavam-se 0,78% para 3,89 euros, 0,24% para 4,21 euros e 0,21% parta 9,58 euros.

O grupo português Navigator lançou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a empresa britânica Accrol, que produz rolos de cozinha, papel higiénico e lenços faciais para as principais cadeias de retalho do Reino Unido, foi hoje anunciado antes da abertura do mercado.

Numa comunicação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo explica que a OPA foi lançada pela Navigator Paper UK Limited, detida a 100% pela The Navigator Company, e que a oferta é de 0,38 libras por ação, avaliando a Accrol em cerca de 127,5 milhões de libras, o equivalente a cerca de 149 milhões de euros.

As outras duas ações que se valorizavam eram as da Greenvolt e do BCP, que subiam 0,18% para 8,16 euros e 0,10% para 0,30 euros.

As principais bolsas europeias estavam hoje mistas, no final de uma semana marcada pelas decisões dos bancos centrais, nomeadamente as da Reserva Federal norte-americana (Fed), que na quarta-feira manteve as taxas de juro e antecipou três reduções de taxas este ano.

Às 08:55 em Lisboa, o EuroStoxx 600 estava a recuar 0,04% para 509,56 pontos.

As bolsas de Londres, Frankfurt e Madrid subiam 0,53%, 0,07% e 0,27%, enquanto, em sentido contrário, as de Paris e Milão se desvalorizavam 0,24% e 0,02%.

Depois de abrir a subir, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência, estando às 08:55 o principal índice, o PSI, a avançar 0,85% para 6.231,47 pontos.

Depois da Fed, na quinta-feira, o Banco de Inglaterra também decidiu manter as taxas.

Em Wall Street, pelo segundo dia consecutivo, os três principais índices registaram máximos históricos, tal como o Nikkei de Tóquio, que atingiu um novo máximo ao início da manhã.

Num dia com poucas referências macroeconómicas, o mercado aguardará a divulgação do índice de confiança empresarial da Alemanha do instituto alemão Ifo.

Os investidores também se concentrarão no Congresso dos EUA, que deve aprovar hoje um projeto de lei orçamental de 1,2 biliões de dólares para evitar um encerramento administrativo devido à falta de fundos após a meia-noite.

Os juros da obrigação alemã a 10 anos, considerada a mais segura da Europa, desciam para 2,371%, contra 2,404% na quinta-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em maio abriu hoje em baixa, a cotar-se a 85,48 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, contra 85,78 dólares na véspera.

A nível cambial, o euro abriu a desvalorizar-se no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,0814 dólares, contra 1,0858 dólares na sessão anterior.

[Notícia atualizada às 09h51]

Leia Também: Bolsas europeias mistas, em final de semana marcada por bancos centrais

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório