Meteorologia

  • 19 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 21º

"Quanto mais" se prolongarem elevadas taxas de juro, maior o risco

O ministro das Finanças defendeu hoje que, "quanto mais tempo" o Banco Central Europeu (BCE) prolongar as elevadas taxas de juro, "maiores são os riscos" de "a situação económica se deteriorar", dado o contexto de redução da inflação.

"Quanto mais" se prolongarem elevadas taxas de juro, maior o risco
Notícias ao Minuto

09:31 - 23/02/24 por Lusa

Economia Medina

"Creio que os sinais do abrandamento económico, da estagnação económica, que hoje é visível numa parte muito importante dos países europeus, são muito claros [...], por isso, quanto mais tempo se prolongar um regime de taxas de juro muito elevadas, maiores são os riscos de aqueles que estão em recessão poderem ver aprofundada das suas recessões de e aqueles que estão estagnados poderem ver a passagem para um estado de recessão", disse Fernando Medina, à chegada à reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro e da União Europeia, na cidade belga de Gante.

Um dia depois de o Eurostat ter divulgado que a taxa de inflação homóloga abrandou, em janeiro, para os 2,8% na zona euro e desacelerou na União Europeia para os 3,1%, com Portugal a registar a oitava menor (2,5%), o governante indicou que "isto merece uma reflexão muito cuidada do BCE naquilo que deve ser a retoma de uma posição mais normal das taxas de juro, que é [...] significativamente abaixo daquelas que são atualmente".

"A inflação está a ser vencida, mas também já é reflexo do forte abrandamento económico que estamos a ver em vários dos países centrais da Europa. Quando a inflação cai, ela cai como reflexo do que é um abrandamento da procura sobre a oferta disponível que temos em determinado momento", apontou.

Fernando Medina recordou o contexto em que "um país como a Alemanha [está] numa situação de recessão, de países de grande dimensão em situação de estagnação" e em que "um número significativo de países também, com níveis de crescimento baixo, exceto Portugal e Espanha, que têm pontuado com crescimentos económicos bastante acima dos outros países europeus".

"Neste quadro geral de abrandamento, na minha opinião, quanto mais se prolongar uma situação de juros, muito acima daquilo que são os juros naturais, [...] aumenta o risco de a situação económica se deteriorar", reforçou Fernando Medina.

Na reunião de janeiro, os membros do Conselho do BCE aprovaram por unanimidade a decisão de deixar as taxas de juro inalteradas e consideraram por amplo consenso que era prematuro discutir possíveis cortes.

De acordo com as atas da reunião, divulgadas esta semana, houve um amplo consenso entre os membros ao considerarem prematuro discutir cortes nesta reunião, por concordarem que o risco de começar a descida demasiado cedo é maior do que o risco de cortar as taxas de juro demasiado tarde.

Os dirigentes do BCE concordaram também que é importante manter o foco nos dados e não no calendário.

Foi ainda considerado que a queda da inflação é uma boa notícia e que o processo de desinflação está a decorrer mais depressa do que o previsto, ao mesmo tempo que o crescimento da economia na zona euro é mais débil do que o esperado a curto prazo.

Ainda assim, de acordo com os membros do Conselho do BCE, a política monetária está a ter, até agora, um impacto relativamente fraco em termos de atividade económica.

Leia Também: Agricultura. Publicado apoio para atenuar efeito da seca e da inflação

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório