Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
27º
MIN 14º MÁX 28º

BCE perde 1.266 milhões e pelo 2.º ano bancos centrais não recebem lucros

O BCE perdeu 1.266 milhões de euros em 2023, face a lucro nulo em 2022, após executar as provisões para cobrir os números vermelhos pela subida das taxas, não distribuindo lucros aos bancos centrais pelo segundo ano consecutivo.

BCE perde 1.266 milhões e pelo 2.º ano bancos centrais não recebem lucros
Notícias ao Minuto

13:01 - 22/02/24 por Lusa

Economia BCE

Como explica o Banco Central Europeu (BCE) num comunicado hoje divulgado, trata-se do primeiro prejuízo desde 2004, quando a valorização do euro face ao dólar levou o organismo a registar um resultado negativo de 1.636 milhões de euros.

O BCE assegurou que estes resultados são consequência da subida das taxas de juro para travar a inflação, o que fez com que os juros pagos aos bancos comerciais crescessem a um ritmo superior ao das suas receitas neste domínio, uma vez que estas últimas são, em grande parte, a uma taxa fixa.

Especificamente, o BCE enfrentou perdas de 7.886 milhões em 2023, que foram reduzidas para 1.266 milhões após a execução de todas as provisões que tinha para riscos financeiros (6.620 milhões).

O BCE prevê que estas perdas se repitam nos próximos anos, em consonância com os resultados que estão a ser obtidos pelos restantes bancos centrais do mundo, para posteriormente voltar a uma trajetória de crescimento sustentado.

A instituição sublinha que dispõe de 46.000 milhões de euros em contas de capital e de revalorização, que reflete a sua solidez financeira e lhe permitirá operar de forma eficiente e cumprir o seu mandato de manutenção da estabilidade de preços, independentemente das suas perdas potenciais.

O saldo financeiro do BCE registou uma contração de 24,4 milhões de euros em 2023, passando para 674 milhões de euros, principalmente devido à interrupção dos reembolsos ao abrigo do programa de compra de ativos (APP) a partir de julho de 2023, o que levou a instituição a reduzir os títulos detidos para fins de política monetária em 31.900 milhões de euros.

O BCE registou uma perda líquida de juros de 7.193 milhões de euros em 2023, em comparação com uma receita de 900 milhões de euros um ano antes, principalmente relacionada com a responsabilidade do TARGET - um sistema que os bancos centrais e comerciais utilizam para processar e movimentar dinheiro entre si.

As despesas do TARGET aumentaram quase sete vezes no ano passado, para 14.236 milhões de euros, depois de a taxa das operações principais de refinanciamento (OPR) ter subido de uma média de 0,6% em 2022 para 3,8% em 2023.

Esta subida da taxa também fez com que aumentasse quase sete vezes o que paga aos bancos centrais nacionais como remuneração pelos seus ativos transferidos para a agência, para 1.334 milhões em 2023.

No outro extremo da escala, as receitas de juros decorrentes da sua quota-parte no total de notas em circulação aumentaram mais de 500% para 4.817 milhões de euros.

Além disso, o BCE obteve juros e proveitos equiparados de 3.467 milhões de euros sobre os títulos detidos para fins de política monetária, o dobro do valor registado em 2022, enquanto os juros e proveitos equiparados dos ativos de reserva aumentaram quase 200%, para 2.382 milhões.

Em ambos os casos estes aumentos deveram-se, principalmente, a rendimentos médios mais elevados da zona euro e dos Estados Unidos em 2023, explicou a instituição.

As perdas não realizadas ascenderam a 38 milhões, face a 1.840 milhões em 2022, devido a perdas de preço não realizadas em títulos detidos nas carteiras de fundos próprios e de dólares dos Estados Unidos, devido a taxas de rendibilidade das obrigações mais elevadas na sequência da subida das taxas.

As despesas operacionais do BCE ascenderam a 1.272 milhões, principalmente devido ao pagamento de 676 milhões para o pessoal (+4%) e 592 milhões para custos administrativos (+4,2%), enquanto as receitas das taxas de supervisão aumentaram 10% para 654 milhões.

No final de 2023, a dimensão do balanço consolidado do Eurossistema, que inclui os ativos e passivos dos bancos centrais nacionais e do BCE face a terceiros, situava-se em 6,9 biliões, face a quase 8,0 biliões em 2022.

Tal deveu-se principalmente a uma redução das operações de crédito de 1,324 biliões em 2022 para 410.000 milhões, devido ao vencimento e aos reembolsos antecipados da terceira série de operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (ORPA direcionadas III), um programa ao abrigo do qual o BCE oferece aos bancos empréstimos de mais longo prazo a um custo favorável.

Além disso, os títulos detidos para fins de política monetária no Eurossistema diminuíram 243.000 milhões em 2023 para 4,7 biliões, principalmente devido a reembolsos.

Leia Também: Reitor do Santuário de Fátima defende aeroporto em Santarém

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório