Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
25º
MIN 14º MÁX 28º

Endividamento da economia acelera. Já está nos 803,1 mil milhões de euros

Endividamento do setor não financeiro aumentou 4,2 mil milhões de euros em 2023.

Endividamento da economia acelera. Já está nos 803,1 mil milhões de euros
Notícias ao Minuto

11:00 - 22/02/24 por Notícias ao Minuto

Economia BdP

Em 2023, o endividamento do setor não financeiro (administrações públicas, empresas e particulares) aumentou 4,2 mil milhões de euros para 803,1 mil milhões de euros, divulgou o Banco de Portugal (BdP), esta quinta-feira.

Deste total, 449,3 mil milhões de euros respeitavam ao setor privado (empresas privadas e particulares) e 353,8 mil milhões de euros ao setor público (administrações públicas e empresas públicas).

O endividamento do setor público subiu 2,5 mil milhões de euros relativamente a 2022.

"Este acréscimo verificou-se, sobretudo, junto das administrações públicas (12,1 mil milhões de euros) e dos particulares (10,1 mil milhões de euros), devido ao investimento em certificados de aforro. Em contrapartida, o endividamento do setor público diminuiu junto do exterior e do setor financeiro, respetivamente, 11,9 mil milhões de euros e 7,4 mil milhões de euros", adianta o supervisor da banca.

O endividamento do setor privado cresceu 1,7 mil milhões de euros.

"O endividamento das empresas privadas aumentou 2,7 mil milhões de euros, sobretudo perante o exterior e as empresas (3,3 mil milhões de euros e 0,7 mil milhões de euros, respetivamente). Este aumento foi parcialmente compensado por uma redução de 1,0 mil milhões de euros junto do setor financeiro. Por seu turno, o endividamento dos particulares decresceu 1,0 mil milhões de euros, essencialmente junto do setor financeiro (1,2 mil milhões de euros)", refere o BdP. 

No final de 2023, a construção e atividades imobiliárias, o comércio e as indústrias eram os setores de atividade económica mais representativos no total do endividamento das empresas privadas.

Já no que respeita à dimensão, as grandes empresas e as microempresas eram as que mais pesavam.

"A repartição, por setor de atividade económica e dimensão, tem-se mantido relativamente estável nos últimos anos", adiantou ainda o supervisor.

[Notícia atualizada às 11h05]

Leia Também: Taxa Euribor desce a três e a seis meses e sobe a 12 meses

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório