Meteorologia

  • 15 JUNHO 2024
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 22º

Parlamento "devia ter chamado" Proença de Carvalho para falar sobre GMG

O presidente executivo da Global Media disse hoje aos deputados que deviam ter chamado Daniel "Proença de Carvalho" à comissão parlamentar, já que este presidiu o grupo até 2020.

Parlamento "devia ter chamado" Proença de Carvalho para falar sobre GMG
Notícias ao Minuto

21:08 - 09/01/24 por Lusa

Economia GMG

José Paulo Fafe falava na comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, numa audição no âmbito do requerimento do Bloco Esquerda (BE) sobre a situação na Global Media Group (GMG).

"Deviam ter chamado uma pessoa", disse, acrescentando "o doutor Proença de Carvalho", porque foi na altura em foi vendida a sede do Diário de Notícias (DN) e Jornal de Notícias (JN).

"Foi nessa gestão que o produto dessas vendas, esse dinheiro, não foi investido em reestruturação ou pagamento de dívidas, foi torrado", insistiu o gestor.

Em 20 de agosto de 2020 foi tornado público que Daniel Proença de Carvalho estava de saída da presidência da Global Media, na sequência do fim do seu mandato.

"Descobri uma sala onde estava mais de um milhão de euros de equipamentos em vídeo, no chão, torraram dinheiro irresponsavelmente", apontou José Paulo Fafe.

No "consulado do doutor Proença de Carvalho" havia um "CEO que ganhava 500 mil euros por ano, aí houve uma gestão muito pouco transparente, para não dizer danosa", salientou, sublinhando que não estava a atribuir responsabilidade ao antigo presidente do grupo.

José Paulo Fafe referiu que a GMG tem um passivo acumulado de quase 50 milhões de euros, "tem dívidas a fornecedores que não estavam na 'due diligence' [investigação] de cinco milhões de euros, um grupo que vai fechar o ano" com prejuízos de "sete milhões de euros", detalhou.

"Até já encontrámos dívidas de 2,1 milhões [de euros] em Macau e 700 mil euros em Malta em empresas de jogo 'online' que nunca funcionaram, ou melhor, de licenças de jogo 'online'", relatou o gestor.

Sobre a 'due diligence' na entrada do fundo da GMG, esta foi "feita" e José Paulo Fafe assinou-a.

Em conversa com o fundo, este terá dito ao presidente executivo da GMG, citado pelo próprio: "Assine porque a verdadeira 'due diligence' vamos fazê-la quando entrarmos".

[Notícia atualizada às 06h51]

Leia Também: GMG? "Despedimento coletivo" acontecerá se não atingir n.º de rescisões

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório