Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 14º

Novo apoio do FMI deve chegar a Cabo Verde no primeiro semestre de 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera começar a entregar a Cabo Verde, no primeiro semestre de 2024, as verbas ao abrigo novo Fundo Fiduciário para a Resiliência e Sustentabilidade (RST, sigla inglesa).

Novo apoio do FMI deve chegar a Cabo Verde no primeiro semestre de 2024
Notícias ao Minuto

09:42 - 11/12/23 por Lusa

Economia FMI

"Penso que as primeiras medidas poderão ser adiantadas dentro do primeiro semestre do próximo ano", referiu Rodrigo Garcia-Verdu, representante residente do FMI em Cabo Verde, em entrevista à Lusa.

O acesso a esta linha de financiamento no valor de 31,69 milhões de dólares (29,81 milhões de euros) deverá ser formalmente aprovado numa reunião da administração do FMI, agendada para hoje.

"O desembolso é condicionado à realização de certas ações", descreveu, um conjunto de medidas e reformas acordadas, em novembro, entre o Governo de Cabo Verde e uma equipa do FMI que se deslocou à Praia.

O detalhe das ações e respetivo cronograma deverá ser publicado em janeiro, acompanhando novos relatórios do FMI sobre o país.

Assim, à medida que o cronograma for sendo cumprido, as verbas serão disponibilizadas, de forma proporcional, explicou. 

A linha vai apoiar medidas que impulsionem fontes renováveis, ao mesmo tempo que promovem resistência a choques climáticos.

Olhando às reformas que o RST já impulsionou noutros países, Rodrigo Garcia-Verdu aponta como exemplos o fim de procedimentos públicos que incentivam ao consumo de combustíveis fósseis, promovendo, em alternativa, fontes renováveis. 

Há também um olhar preventivo sobre o sistema financeiro, visto que "alguns dos seus ativos podem ser afetados pelas mudanças climáticas e, nesse sentido", pelo que é necessário identificar os riscos.

Em novembro, quando o acesso ao RST foi anunciado, Olavo Correia, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, considerou-o como uma medida "muito importante" para "ajudar na aceleração da agenda da transição energética, ação climática e edificação de uma economia circular".  

Por outro lado, há expetativa de um efeito colateral que "credibiliza Cabo Verde para aceder a novos fundos climáticos e ambientais à escala global".

O FMI aponta como "um sério risco a médio prazo" os efeitos das alterações climáticas, "como ficou evidenciado na seca dos últimos anos" em Cabo Verde, referiu Justin Tyson, chefe da missão que, na altura, esteve no país.

Leia Também: FMI afirma que Argentina precisa de banco central "forte e credível"

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório