Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

Despesas inesperadas? Há portugueses sem dinheiro para 'surpresas'

Uma análise índica ainda que 37,2% dos indivíduos em Portugal não têm capacidade para pagar uma semana de férias, por ano fora de casa por exemplo.

Despesas inesperadas? Há portugueses sem dinheiro para 'surpresas'
Notícias ao Minuto

11:43 - 11/12/23 por Notícias ao Minuto

Economia despesas

Um estudo realizado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) analisa os principais indicadores da privação material e social das famílias portuguesas.

Numa publicação partilhada na rede social X (antigo Twitter), no domingo, a fundação indica que "5% da população vive numa situação de privação material e social severa", o que significa que esta percentagem tem "uma forte carência" em pelo menos sete dos 13 "indicadores, como, por exemplo, a impossibilidade de pagar a renda, aquecer a habitação ou consumir carne ou peixe de dois em dois dias, entre outros".

No site da FFMS, a análise é dada com mais detalhe, e revela quais as situações em que a privação das famílias é sentida de forma mais forte.

Os especialistas destacam vários indicadores, notando, por exemplo, que 37,2% não têm capacidade para pagar uma semana de férias por ano fora de casa (36,6% em 2021).

Na ordem dos 30%, é ainda destacada a impossibilidade de substituição do mobiliário usado, apontada por 36,3% dos indivíduos – em 2021, 37,9% dizia que não tinha esta possibilidade.

"29,9% dizem que não têm capacidade para assegurar o pagamento imediato de uma despesa inesperada próxima do valor da linha de pobreza (31,1% em 2021); 17,5% declaram não terem capacidade financeira para manter a casa adequadamente aquecida (16,4% em 2021)", lê-se ainda no site.

Segundo a FFMS, estes indicadores de privação material e social, são aqueles que, "de uma forma mais imediata, refletem os efeitos da subida dos preços dos bens e serviços sobre as condições de vida das famílias, contrariamente aos indicadores de pobreza".

Esta análise, com dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Estatística, lembra ainda que "o sistema estatístico europeu procedeu a uma revisão dos indicadores de privação, no âmbito do sistema de monitorização social da estratégia Europa 2030". Desta forma, os anteriores nove indicadores foram alargados para 13. Os anteriores nove indicadores de privação foram alargados para 13 indicadores de privação material e social. "De forma a assegurar a comparabilidade destes novos indicadores o INE recalculou as estimativas de privação material e social desde 2016", lê-se.

"De acordo com o ICOR em 2022 quer o indicador de privação material e social quer o de privação material e social severa registaram uma diminuição, contrariando o agravamento da sua subida ocorrido em 2021 e retomando a tendência de descida destes índices que se registava desde 2016", explicam ainda.

Leia Também: Diversificação de mercados e de oferta anima final do ano na hotelaria

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório