Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 16º MÁX 29º

Pagamentos previstos para agricultores caem em 2023

A Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri) afirmou hoje que, até ao final do ano, os pagamentos previstos para agricultores vão reduzir-se face ao período homólogo, apelando ao adiantamento dos apoios comunitários.

Pagamentos previstos para agricultores caem em 2023
Notícias ao Minuto

20:07 - 18/09/23 por Lusa

Economia Confagri

"O IFAP,I.P. [Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas] divulgou o calendário indicativo dos pagamentos dos apoios da Política Agrícola Comum (PAC), integrados no Pedido Único 2023 (PU2023), concluindo-se daí, que, até ao final do mês de dezembro, os pagamentos previstos reduzem-se comparativamente aos pagos no período homólogo de 2022", pode ler-se num comunicado da Confagri.

Segundo a mesma nota e citando dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a Confagri refere que, em 2022, os agricultores portugueses tiveram uma redução do rendimento da atividade agrícola, em termos reais, de 11,8%, temendo "que em 2023 será ainda pior".

"Vemos com extrema preocupação o calendário de pagamentos confirmado pelo IFAP, pois revela que os agricultores irão acarretar mais custos o que vai, definitivamente, condicionar o seu rendimento e ser mais um entrave à competitividade do setor", afirma o secretário-geral adjunto da Confagri, Nuno Serra.

Este ano, a campanha de cereais foi marcada pela seca e as produções de maçã e pera sofreram quebras de produtividade, enquanto as produções pecuárias de leite e carne, com a escassez de alimentos, viram os custos de produção subir, realça a confederação.

Além disso, indica a Confagri, uma nova exigência, o "Sistema de Vigilância de Superfícies -- SVS", com um período de alteração e correção das candidaturas de 15 dias para que os agricultores respondam a todos os pedidos, "torna extremamente difícil para agricultores e suas organizações, o cumprimento do calendário".

"A Confagri, decorrente destes factos extremamente penosos para os agricultores, apela [que] a tutela diligencie, junto das instituições bancárias que financiaram a antecipação dos apoios ao rendimento, a inexistência de penalizações decorrentes de eventuais atrasos na amortização dos créditos contratados, consequência da redução dos pagamentos até dezembro", indica.

Para a confederação, "é imperativo que o Governo adeque as políticas públicas às circunstâncias difíceis por que passam os agricultores e que garanta que não exista perda de rendimento a quem dele precisa" para produzir os alimentos".

Leia Também: PSD acusa Governo de falhar prazos de pagamento de apoios a agricultores

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório