Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 20º MÁX 38º

G7 quer reduzir "dependência excessiva" da China

O grupo das sete economias mais desenvolvidas (G7) anunciou hoje que quer reduzir a "dependência excessiva" da China em setores críticos, mas sem por em causa o desenvolvimento económico chinês.

G7 quer reduzir "dependência excessiva" da China
Notícias ao Minuto

10:54 - 20/05/23 por Lusa

Economia G7

Na declaração final da cimeira realizada na cidade japonesa de Hiroshima, os líderes do G7 defendem que uma economia resiliente "requer que sejam eliminados riscos e requer diversificação" e afirmam a necessidade de dar passos nesse sentido individualmente em cada uma das economias nacionais e também como grupo.

A declaração do G7 sublinha que a orientação defendida "não pretende prejudicar" Pequim nem impedir o progresso e o desenvolvimento económico da China, com o grupo a defender que "uma China em crescimento, a jogar segundo as regras internacionais é do interesse global".

O documento final do bloco económico que junta Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, mais a União Europeia (UE) foi publicado um dia antes do previsto e aponta "políticas e práticas comerciais da China que contrariam a economia de mercado"

"Para permitir relações económicas sustentáveis com a China e fortalecer o sistema de comércio internacional, faremos pressão para que exista igualdade de condições entre os nossos trabalhadores e empresas", afirma o G7 no documento, em que manifesta também empenho em enfrentar os "desafios" colocados pelas práticas comerciais da China que "distorcem a economia global".

"Combateremos práticas maliciosas como a transferência ilegítima de tecnologia ou a divulgação de dados confidenciais", afirma o bloco económico no texto.

Os países mais industrializados afirmam ainda o consenso alcançado sobre a "necessidade de proteger tecnologias avançadas que podem ser usadas para ameaçar a segurança nacional (dos países do grupo), sem limitar indevidamente o comércio e o investimento".

A declaração final dos líderes do G7 foi divulgada pouco depois da publicação de outro documento, sobre "coerção económica", em que, sem mencionarem qualquer país, condenavam a utilização como "arma" das capacidades exportadoras e a sua instrumentalização como ferramenta política.

Leia Também: Zelensky esperançado na proximidade da paz após reuniões do G7

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório