Meteorologia

  • 25 JULHO 2024
Tempo
27º
MIN 19º MÁX 27º

TAP. CEO "tentou retirar competências" a Alexandra Reis antes da rescisão

O inspetor-geral de Finanças disse hoje que a presidente executiva da TAP tentou inicialmente retirar competências à ex-administradora Alexandra Reis, tendo posteriormente considerado que não estavam reunidas condições para a manter na equipa, por "desajustamento de opiniões".

TAP. CEO "tentou retirar competências" a Alexandra Reis antes da rescisão
Notícias ao Minuto

18:31 - 29/03/23 por Lusa

Economia TAP

"Daquilo que conseguimos apurar, há uma conversa inicial em que a CEO [presidente executiva, Christine Ourmières-Widener] tentou de alguma forma retirar competências à engenheira Alexandra Reis, e no momento seguinte entendeu que não estavam reunidas condições para continuar a trabalhar com ela", afirmou o inspetor-geral de Finanças, António Ferreira dos Santos, que está a ser ouvido da comissão parlamentar de inquérito à tutela política da gestão da TAP.

Segundo o inspetor-geral, Ourmières-Widener expressou que havia um "desajustamento de opiniões" com Alexandra Reis.

Questionado pelo deputado socialista Carlos Pereira, o inspetor-geral disse ainda que, nos esclarecimentos à IGF após ter sido noticiada a indemnização de meio milhão de euros, Alexandra Reis nunca referiu o 'e-mail' enviado ao então ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a colocar o lugar à disposição, em dezembro de 2021, antes do acordo para sair da TAP.

Ainda em resposta ao PS, o inspetor-geral explicou que a gestora francesa não foi ouvida pela IGF, como os restantes intervenientes diretos no processo de rescisão, pela questão da língua.

O obstáculo da língua, segundo a IGF, foi mesmo uma das principais razões para a presidente executiva da TAP não ter sido ouvida, considerando a entidade que acabou por dar mais oportunidade à gestora para se explicar sendo por escrito e não pessoalmente às perguntas concretas que foram enviadas.

O Governo anunciou a exoneração da presidente executiva da companhia aérea, Christine Ourmières-Widener, e do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja, em 06 de março, depois de anunciados os resultados de uma auditoria da IGF, que concluiu que o acordo para a saída de Alexandra Reis é nulo e grande parte da indemnização de perto de meio de milhão de euros terá de ser devolvida.

A polémica começou no final de dezembro, altura em que o Correio da Manhã noticiou que a então secretária de Estado do Tesouro tinha recebido uma indemnização de cerca de 500.000 euros para sair dois anos antes do previsto da administração da empresa.

O processo foi negociado ao abrigo do código das sociedades comerciais, quando a TAP está abrangida pelo estatuto do gestor público.

O caso motivou uma remodelação no Governo, incluindo a saída do ex-ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

[Notícia atualizada às 19h27]

Leia Também: Administrador financeiro desconhecia acordo com Alexandra Reis, diz IGF

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório