Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

"Temos mais de 30% dos nossos efetivos com mais de 60 anos"

A diretora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), Helena Borges, alertou hoje para o desafio de reconstituição e renovação das equipas da instituição que lidera numa altura em que 30% dos trabalhadores têm mais de 60 anos.

"Temos mais de 30% dos nossos efetivos com mais de 60 anos"
Notícias ao Minuto

14:17 - 08/03/23 por Lusa

Economia Helena Borges

Helena Borges falava numa audição na Comissão de Orçamento e Finanças a propósito de um requerimento do PS para recolha de informação sobre a utilização indevida de empresas unipessoais para processamento de rendimentos do trabalho.

Depois de sublinhar que mais de 60% dos trabalhadores da AT estão afetos aos serviços locais e regionais de Finanças, a diretora-geral referiu que para que esta presença da AT pelo país se mantenha é necessário que haja pessoas "com qualidade e conhecimentos técnicos" e também com cultura de serviço público, havendo, por isso, nesta altura um risco significativo, tendo em conta a idade média dos trabalhadores.

"Temos mais de 30% dos nossos efetivos com mais de 60 anos e isso é um risco efetivo que vai exigir transformações", disse, apontando o "desafio de reconstituição de renovação da equipa" que esta situação coloca.

Neste contexto apontou o recrutamento que está a ocorrer -- o que já não sucedia há dez anos, referindo a necessidade de este ciclo de recrutamento se manter.

Perante as novas realidades (espoletadas pela mobilidade e transição digital) acentuou também a necessidade de se manterem as carreiras atrativas para que a AT possa conseguir reter e atrair quadros qualificados.

O requerimento do PS para esta audição surgiu depois de ter vindo a público o caso que envolve a contratação, pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), do então selecionador Fernando Santos e de a AT ter suscitado dúvidas sobre a adequação do recurso a uma empresa unipessoal para o então selecionador receber os seus rendimentos.

No requerimento, o PS salienta a necessidade de se perceber junto da AT se práticas como esta (recurso a empresas unipessoais para receber rendimentos de trabalho) levantam dúvidas e se esta é uma realidade que tem aumentado.

Refira-se que o recurso a esta solução permite que os rendimentos sejam tributados em sede de IRC e não de IRS, beneficiando de taxas de imposto mais baixas.

Durante a audição, deputados de vários partidos questionaram Helena Borges se a AT tem perceção de que esta é uma realidade que está a aumentar, quais os setores que mais a utilizam e quais são os indicadores de risco de se estar perante uma situação de abuso fiscal, que levem a AT a atuar.

Leia Também: "Demorados". Diretora-geral da AT defende redução dos tempos da inspeção

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório