Meteorologia

  • 13 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 29º

Setor dos media em Portugal "neste momento não está nada bem"

O presidente do Sindicato dos Jornalistas afirmou hoje à Lusa que o setor dos media em Portugal "neste momento não está nada bem" e considerou que "mais cedo do que tarde" vai ter que existir "uma resposta global".

Setor dos media em Portugal "neste momento não está nada bem"
Notícias ao Minuto

19:08 - 03/02/23 por Lusa

Economia Sindicato dos Jornalistas

"O setor neste momento não está nada bem", afirmou Luís Simões, adiantando que, face ao contexto do aumento de custos, a alta da inflação, a subida das taxas de juros, os trabalhadores têm defendido atualizações salariais e "é muito rara a empresa que está a responder a estas preocupações",

No caso da TSF, do grupo Global Media (GMG), assistiu-se aos trabalhadores "a fazerem um plenário e a pedirem à entidade patronal que possa rever os salários".

No Jornal de Notícias (JN), que é do mesmo grupo liderado por Marco Galinha, assiste-se à "preocupação até pela saída do local de trabalho para outro que não oferece garantias, inclusivamente em termos de transportes", apontou o presidente do SJ.

No âmbito da Media Capital, tanto na TVI como CNN assiste-se a "alguma preocupação", não só com eventuais reduções do número de pessoas, mas "também suponho com esse aumento salarial que não está a ser feito", e "vimos na Impresa", dona da SIC, "os trabalhadores a fazerem um protesto silencioso pela mesma razão", acrescentou.

Mais de 150 trabalhadores da SIC protestaram em silêncio, nas instalações da Impresa, na quarta-feira, por aumentos salariais para todos, para fazer face ao aumento do custo de vida, disse à Lusa Rodrigo Gonçalves, da Comissão de Trabalhadores.

"Pelo que vimos, acho que na Lusa há também os trabalhadores a tentarem que -- e aqui já estamos a falar no Setor Empresarial do Estado -- que seja de alguma forma a componente salarial revista", prosseguiu Luís Simões.

A verba orçamentada de 200 mil euros para aumentos salariais na Lusa "é insuficiente para as reivindicações apresentadas pelos trabalhadores" e o presidente pediu reuniões às tutelas sobre o tema, de acordo com um comunicado da Comissão de Trabalhadores (CT) de janeiro.

O caderno reivindicativo para 2023, aprovado pelos trabalhadores da Lusa em 03 de novembro, inclui um aumento mínimo de 120 euros nos salários dos trabalhadores, a atualização do subsídio diário de refeição, pago em cartão, para o valor máximo não tributável, bem como a criação de um subsídio parental de 100 euros por cada filho/a, a ser pago juntamente com a retribuição do mês seguinte ao do regresso da licença parental, entre outros.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas apontou que ainda não foi pago subsídio de Natal no jornal A Bola e que "os trabalhadores já perguntaram quando é que será e ainda não tiveram resposta".

Em suma, trata-se de uma situação que "não é de uma empresa, não é de um jornal", mas de uma grande maioria dos meios de comunicação social.

"Do pouco que vamos sabendo, só mesmo da Cofina não nos chegou este mal estar, não sei se por não existir, se por alguma dificuldade de comunicação", adiantou o responsável, salientando que o panorama "é negro".

Por exemplo, o caso do Diário de Notícias (DN), "que, não sendo uma proposta de despedimento, foi um convite à saída de algumas pessoas (...) preocupa-nos" também, até porque o jornal "estava numa situação complicada e com poucas pessoas", referiu.

Luís Simões salientou que a redução do número de pessoas está "a ser quase também generalizado" no setor dos media em Portugal, em que se assiste ao emagrecimento das redações, "com níveis de trabalho a ficarem incomportáveis para os trabalhadores".

Ou seja, "quando há uma dificuldade, e eu confesso que não percebo este critério, a solução tem sido emagrecer redações", o que tem "uma consequência trágica", já que reduzir o número de pessoas reflete-se na perda da qualidade da informação, o que também terá impacto nas vendas, prosseguiu.

Atualmente "temos provavelmente das gerações com mais habilitações literárias e eu suponho que quando a solução é esvaziar as redações, provavelmente as pessoas exigirão um pouco mais, um jornalista não pode fazer o trabalho de dois, é humanamente impossível", sublinhou.

O Sindicato dos Jornalistas está a acompanhar as várias situações dos meios de comunicação social em Portugal, procurando manter "primeiro" informados os delegados sindicais e a procurar que estes tentem "pressionar as entidades patronais a ter alguma solução para esta quebra nos rendimentos" e "aumento do volume de trabalho".

Portanto, "estamos a trabalhar em todas estas vertentes (...) e isto é que é muito complicado de dizer porque diz bem da forma como vamos andando, em quase todas as empresas de comunicação, porque não é uma, não são duas, são quase todas", lamentou.

"É verdade que na RTP houve um aumento", mas foi um aumento "muito escasso, qualquer coisa como 20 euros, que está muito longe de fazer face aos níveis de inflação, mas mesmo assim houve, é verdade, mas muito reduzido", sublinhou.

O presidente do SJ salientou que se ouve "recorrentemente" os jornalistas a afirmarem que "há 20 anos que não têm aumentos", devido às várias ondas de crise.

E a crise está a refletir-se "sempre para os jornalistas e 20 anos sem reposição salarial é muito tempo", considerou.

"Acho que mais cedo do que tarde vamos ter que ter uma resposta global", considerou, porque os problemas são globais.

Entretanto, "estamos, acho eu, numa fase muito, muito, muito final do contrato coletivo, das negociações" e "espero que não se ultrapasse metade do mês para tentarmos assinar" o mesmo, disse.

"Estamos agora a rever as últimas negociações", sendo que, aumentando o custo de vida, a inflação, até onde se pode ir em termos de salários de entrada, já que "havia quase um acordo dos 903 euros".

No entanto, "precisamos de ver se podemos ir além disso, porque, na verdade, este ano e nos últimos meses, a realidade transformou-se um bocadinho", rematou.

Leia Também: CCPJ. Emolumentos são a "única base fundamental" do orçamento

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório