Meteorologia

  • 22 MAIO 2022
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 22º

Por cada 3 euros de austeridade apenas 1 euro foi abatido ao défice

Nove dias depois de tomar posse, em 2011, Passos Coelho anunciou uma subida de impostos, contradizendo tudo aquilo que tinha prometido durante a campanha eleitoral. O “enorme aumento de impostos” anunciando pelo ex-ministro Vítor Gaspar pôs, porém, em evidência as dificuldades que o país atravessava para pagar as suas contas. Mas, por cada três euros de austeridade apenas um euro foi abatido ao défice, de acordo com as contas elaboradas pelo Jornal de Negócios.

Por cada 3 euros de austeridade apenas 1 euro foi abatido ao défice
Notícias ao Minuto

09:16 - 15/05/14 por Notícias Ao Minuto

Economia Contas Públicas

Durante o período de permanência da troika em Portugal, por cada três euros de austeridade “pagos” pelos contribuintes portugueses apenas se registou a redução de um euro no défice, revela esta quinta-feira o Jornal de Negócios, que analisa de um ponto de vista estritamente económico o impacto dos sucessivos aumentos de impostos apresentados ao longo dos últimos três anos.

Contas feitas, entre o final de 2010 e o final de 2014, o Governo português aplicou 27 mil milhões de euros em medidas de austeridade, na tentativa de controlar as contas públicas, mas o défice orçamental apenas baixou 9 mil milhões, dados que, ao longo dos últimos anos têm sido justificados pelas deficientes previsões iniciais gizadas por FMI, Banco Central Europeu e Comissão Europeia, que tinham expetativas demasiado elevadas relativamente à consolidação orçamental portuguesa.

A explicar esta proporção desigual estão razões como, por exemplo, despesas que registam crescimento automático, casos dos custos com pensões, devido ao envelhecimento populacional, ou gastos com PPP e despesas com juros. Porém, se atendermos a estratégia seguida pelo Governo com os sucessivos aumentos de impostos também é possível verificar falhas.

Em evidência, a subestimação por parte das finanças portuguesas de um aumento generalizado do IVA, que fez abrandar o consumo interno, reduzindo o volume deste imposto que entrou para os cofres do Estado.

De referir que o multiplicador orçamental, que explica a proporção dos custos da austeridade em termos de PIB, segundo explica a mesma publicação, que habitualmente se situam na casa de 1 euro de austeridade por 0,5 euros em relação ao produto interno do país, ficou situado entre 0,9 e 1,7 pontos, algo reconhecido pelo FMI como sendo demasiado pesado. “O Fundo Monetário Internacional foi o primeiro a dizer “atenção, é demasiada consolidação orçamental, demasiado depressa” referiu Christine Lagarde no fim de 2013.

Relativamente às rúbricas com mais peso, destaca o Jornal de Negócios que os agravamentos de IVA e IRS representaram cerca de 40% da austeridade, os cortes salariais 23% e as reduções nas prestações sociais, que afetaram pensionistas, 22%. Por último, o corte em consumos intermédios e subsídios apenas 12%.

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório