Meteorologia

  • 18 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 21º

Afinal, qual o impacto da inflação no seu salário? Simule aqui

A título de exemplo, para um salário de 1.000 euros, o poder de compra após a inflação é de 917 euros, o que significa que o trabalhador perde 83 euros. 

Afinal, qual o impacto da inflação no seu salário? Simule aqui
Notícias ao Minuto

07:40 - 01/02/23 por Notícias ao Minuto

Economia Inflação

A estimativa rápida divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) aponta para uma desaceleração da taxa de inflação em janeiro, mas, afinal, como é que a subida dos preços tem impacto no salário dos portugueses? A Pordata disponibiliza uma ferramenta que ajuda a responder a esta questão. 

Pode aceder ao simulador aqui. A título de exemplo, para um salário de 1.000 euros, o poder de compra após a inflação é de 917 euros, o que significa que o trabalhador perde 83 euros. 

"Esta ferramenta permite converter um determinado montante, utilizando o valor mensal do Índice de Preços no Consumidor (IPC). Trata-se de transformar valores a preços correntes/nominais em valores a preços constantes/reais, descontando a inflação. O cálculo é efetuado com base no último valor mensal do índice divulgado pelo INE", explica a Pordata. 

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) baixou para 8,3% em janeiro, face aos 9,6% de dezembro, segundo a estimativa rápida avançada na terça-feira pelo INE

De acordo com o INE, "tendo por base a informação já apurada, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá diminuído, pelo terceiro mês consecutivo, para 8,3% em janeiro de 2023, taxa inferior em 1,3 pontos percentuais (p.p.) à observada no mês anterior".

Quanto ao indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) terá registado uma variação de 7,0% em janeiro (7,3% no mês anterior).

Governo acompanha de forma "atenta" inflação dos produtos alimentares

O ministro das Finanças admitiu que a taxa de inflação dos produtos alimentares não transformados é uma "fonte de atenção", mas descarta para já novas medidas de apoio, apesar de garantir acompanhar de forma "rigorosa" a evolução da economia.

"É um processo de descida que esperamos que se possa iniciar, ocorrerá de uma forma mais tardia do que as outras componentes. É naturalmente uma fonte de atenção, na medida em que as famílias estão em primeira linha confrontadas com os produtos alimentares, que todas têm necessidade de consumir", afirmou o governante.

Fernando Medina recordou que esta é "talvez a última componente que nos falta para iniciar a trajetória de descida" para que "a descida do indicador global seja ainda mais significativa".

Questionado sobre se poderão ser tomadas medidas neste âmbito, o ministro considerou ser "cedo para antecipar iniciativas fora do quadro do Orçamento", recordando que existe "um conjunto de medidas que vai agora entrar em vigor".

Leia Também: Governo acompanha de forma "atenta" inflação dos produtos alimentares

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório