Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 29º

Costuma comprar estes alimentos? Estão 20% mais caros do que há um ano

Um cabaz de bens alimentares considerados essenciais custa agora 218,91 euros.

Costuma comprar estes alimentos? Estão 20% mais caros do que há um ano
Notícias ao Minuto

07:34 - 27/01/23 por Notícias ao Minuto

Economia supermercado

Carne, peixe e laticínios: estes alimentos costumam fazer parte do seu cesto de compras? Uma monitorização dos preços da DECO Proteste revela que custam agora mais 20% do que há um ano. Um cabaz de bens alimentares considerados essenciais custa agora 218,91 euros.

"A carne, o peixe e os laticínios são as categorias alimentares que já registaram os maiores aumentos de preços desde que a guerra na Ucrânia começou. Num pequeno cabaz de carne, o aumento foi de mais de sete euros, no peixe chegou aos 12 euros e nos laticínios a subida é de mais de três euros", explica a organização de defesa do consumidor.

De acordo com a DECO, a 23 de fevereiro de 2022, véspera do início da guerra na Ucrânia, um cabaz de bens alimentares essenciais custava 183,63 euros. "Quase um ano depois, a 25 de janeiro de 2023, comprar exatamente os mesmos alimentos representa uma despesa de 218,91 euros, ou seja, mais 35,28 euros (mais 19,21%).

"A contribuir para esta subida estão todas as categorias alimentares, mas é na carne, nos laticínios e no peixe que os aumentos mais se fazem sentir", explica. 

Desde 5 de janeiro de 2022, a DECO Proteste tem monitorizado, todas as quartas-feiras, com base nos preços recolhidos no dia anterior, os preços de um cabaz de 63 produtos alimentares essenciais.

"Esta análise tem revelado aumentos quase todas as semanas, com alguns produtos a registarem subidas de preços de dois dígitos de uma semana para a outra", nota a organização. 

Leia Também: Trabalha a recibos verdes? Não se esqueça desta declaração

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório