Meteorologia

  • 18 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 21º

"Neste momento, temos 600 milhões de euros de investimento social"

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, revelou, esta quinta-feira, que o setor social tem 600 milhões de euros de investimento a decorrer neste momento.

"Neste momento, temos 600 milhões de euros de investimento social"
Notícias ao Minuto

19:41 - 26/01/23 por Lusa

Economia Ministra do Trabalho

"Neste momento, temos 600 milhões de euros de investimento social a acontecer na dimensão de respostas sociais. (...) Desde as creches, desde as respostas às pessoas com deficiência, desde as resposta às pessoas mais velhas, desde aquele investimento que estamos a procurar fazer também na transformação da própria Segurança Social para conseguir ser mais eficiente, mais personalizado e conseguir resolver concretamente os problemas reais que as pessoas têm", disse a ministra.

A informação foi avançada no Fundão, onde hoje a governante participou na apresentação de dois projetos de residências colaborativas, que se enquadram na nova geração de respostas sociais, dentro da comunidade e de acordo com os novos perfis e as novas necessidades dos destinatários.

Esta deslocação ao Fundão está integrada na iniciativa "Governo Mais Próximo", que decorreu entre quarta-feira e hoje, no distrito de Castelo Branco, sendo que Ana Mendes Godinho tinha ainda agendada para hoje a inauguração de uma nova Estrutura Residencial para Pessoas Idosas em Silvares.

Nas sessões em que participou durante a tarde, a ministra destacou a importância de todas as respostas sociais e disse que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) tem cerca de 420 milhões de euros dedicados a soluções de nova geração, estando já em curso 600 projetos, 22 dos quais relativos a habitações colaborativas que resultam de projetos-pilotos propostos pelos próprios promotores com base nas necessidades e especificidades de cada aposta e respetivo público-alvo.

"São respostas completamente novas, respostas inovadoras, no âmbito da habitação colaborativa. Cada uma delas tem um projeto diferente, umas são, por exemplo, para integração de pessoas com deficiência e as suas famílias, permitindo a coabitação em espaços autónomos, em casas das próprias famílias. Outras são respostas para promover a interação entre estudantes e pessoas mais idosas. Também temos um projeto de pequenas casas para habitação temporária, por exemplo, quando os pais estão a acompanhar as crianças durante um tratamento hospitalar", explicou.

No caso do Fundão, um dos projetos será promovido pela Santa Casa da Misericórdia do Fundão e visa a transformação de um bairro social que está em estado de degradação num bairro de habitação colaborativa, que terá 18 unidades de habitação independentes destinadas a pessoas idosas autónomas ou portadoras de deficiência, mas também autónomas e ainda em situação de vulnerabilidade social como imigrantes em processos de autonomização.

Contará com um edifício que presta serviços comuns, uma horta comunitária e trata-se de um projeto ambiental e energeticamente sustentável, com as casas a estarem ligadas por um passeio que contará com painéis fotovoltaicos. O investimento total é de 1,1 milhões de euros.

O outro projeto foi estabelecido com o Centro Assistencial Cultural e Formativo do Fundão. Com a denominação 'Quinta do Prado', vai ser construído de raiz em interligação com o meio rural que contará com 21 pequenas moradias autónomas, mas próximas e com espaços comuns. Segundo os promotores, será um espaço aberto e dinâmico. O investimento total é de cerca de 1,5 milhões de euros.

Leia Também: PCP questiona ministra sobre alegado caso de assédio moral na Vigiexpert

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório