Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 21º

Receios de recessão desvanecem? "São boas notícias para Portugal"

Fernando Medina considera que os "receios de uma recessão na Europa entre o último trimestre de 2022 e o primeiro de 2023 parecem agora começar a desvanecer-se".

Receios de recessão desvanecem? "São boas notícias para Portugal"
Notícias ao Minuto

12:19 - 17/01/23 por Notícias ao Minuto

Economia Medina

O ministro das Finanças, Fernando Medina, saiu da reunião entre os seus homólogos da União Europeia (UE) - o Ecofin - a sublinhar as "boas notícias" sobre as perspetivas económicas, numa altura em que as expectativas sobre uma recessão começam a desvanecer-se. 

"Os receios de uma recessão na Europa entre o último trimestre de 2022 e o primeiro de 2023 parecem agora começar a desvanecer-se. Isso são boas notícias para Portugal, porque quanto mais crescerem os nossos parceiros comerciais, quanto mais crescer a UE, mais isso ajudará o crescimento económico de Portugal em 2023", disse Medina, em declarações aos jornalistas. 

O ministro das Finanças, que participou na segunda-feira na reunião do Eurogrupo, vê sinais mais positivos na economia do que há uns meses, mas considera que é necessário apoiar as famílias e as empresas na resposta aos obstáculos que se colocam este ano

Medina afasta assim o cenário de recessão na economia portuguesa a curto prazo e recordou que os indicadores do Governo apontam para um crescimento económico, ainda que "mais moderado" do que em 2022.

Medina rejeita aumento de salários, garante eficácia da política salarial

O ministro das Finanças rejeitou a necessidade de haver este ano um novo aumento dos salários e insistiu que a política salarial do Governo consegue assegurar o poder de compra sem alimentar as "tensões inflacionistas".

"A nossa política salarial é a política adequada para responder às necessidades de assegurar o poder de compra durante o ano de 2023, sem com isso contribuir para um aumento das tensões inflacionistas no nosso país", sustentou Fernando Medina, no final do Ecofin, em Bruxelas.

O Jornal de Negócios noticiou na edição de hoje que a Comissão Europeia defende que há margem para aumentar os salários este ano e que os aumentos previstos não só estão abaixo do necessário para compensar a perda de poder de compra, como também podem ficar abaixo das subidas previstas para limitar os impactos na inflação. No caso de Portugal, o referencial acordado é de 5,1%.

[Notícia atualizada às 14h23]

Leia Também: Medina rejeita aumento de salários, garante eficácia da política salarial


  

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório