Meteorologia

  • 15 JULHO 2024
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 26º

Utilização de deduções devem evitar que quem ganhe SMN pague IRS

O ministro das Finanças admitiu hoje que a subida do salário mínimo fará que quem o recebe passe a estar integrado no IRS, dizendo que a utilização de deduções evitará que venham efetivamente a pagar imposto.

Utilização de deduções devem evitar que quem ganhe SMN pague IRS
Notícias ao Minuto

18:18 - 21/10/22 por Lusa

Economia Fernando Medina

"Sim, é verdade que com a nova metodologia adotada [para o mínimo de existência] e progressivamente as pessoas que recebam este nível de rendimentos vão sendo integradas no sistema de IRS", disse hoje o ministro das Finanças, Fernando Medina numa audição no parlamento sobre o Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

No entanto, acrescentou o ministro, "não é verdade que a isto corresponda o pagamento de imposto, a partir do próximo ano de certeza e mesmo a partir dos anos seguintes com menor probabilidade".

O ministro falava em resposta à deputada da Iniciática Liberal (IL) Carla Castro, que questionou Fernando Medina sobre as mudanças ao mínimo de existência -- que corresponde ao valor mínimo de rendimento líquido garantido a cada trabalhador ou pensionista --, nomeadamente o facto de este deixar de estar ligado ao salário mínimo nacional a partir de 2024, e a possibilidade de estar pessoas passarem a pagar IRS a partir dessa altura.

Na resposta Fernando Medina disse ainda que a previsão de atualização do salário mínimo nacional vai traduzir-se na integração de mais pessoas no IRS, mas que quem estiver esta situação poderá na mesma continuar a não pagar imposto porque passará a utilizar as deduções à coleta, desde logo os 250 euros que são obtidos através de 15% dos gastos com as chamadas despesas gerais familiares.

"Não significa, por essa razão, que paguem imposto porque teremos a funcionar as deduções e só nas deduções pelas despesas gerais familiares são 250 euros" disse o ministro.

A proposta vai ser debatida na generalidade no parlamento nos próximos dias 26 e 27, estando a votação final global do diploma marcada para 25 de novembro.

Leia Também: Governo descarta descida do IVA do cabaz essencial de bens alimentares

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório