Meteorologia

  • 06 FEVEREIRO 2023
Tempo
16º
MIN 6º MÁX 18º

Trabalhadores das empresas de distribuição em greve na 6.ª-feira

Os trabalhadores das empresas de distribuição vão estar em greve esta sexta-feira, reivindicando o aumento dos salários, horários que permitam conciliar a vida profissional e familiar e o fim da precariedade.

Trabalhadores das empresas de distribuição em greve na 6.ª-feira

"O CESP [Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal] e os trabalhadores exigem o aumento dos salários, horários de trabalho que permitam conciliação da vida pessoal e familiar com a vida profissional, sem banco de horas, e o fim da precariedade do setor", indicou, em comunicado, a estrutura sindical.

Assim, estes trabalhadores vão realizar, esta sexta-feira, um dia de greve, com piquetes e concentrações de Norte a Sul.

Para Braga, Porto, Leiria, Santarém, Lisboa e Algarve estão agendados vários piquetes de greve.

Já para Aveiro está agendada uma contração dos trabalhadores das empresas de distribuição junto ao largo da estação de comboios, enquanto em Setúbal está prevista uma concentração no Almada Fórum.

No documento hoje divulgado, o CESP vincou que os trabalhadores das empresas de distribuição continuam sem ter a revisão do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT), culpabilizando a associação patronal, "que insiste na chantagem" de só negociar se o sindicato aceitar introduzir o banco de horas no contrato.

O sindicato garantiu que os trabalhadores não vão aceitar normas que levem ao aumento da carga horária e à destabilização dos tempos de trabalho e de vida.

Por outro lado, conforme assinalou, os salários são baixos e não existe valorização das carreiras.

"[...] Em contrapartida, o lucro das principais empresas do setor tem subido significativamente", apontou.

A isto acrescem ritmos de trabalho "intensos", numa altura em que existem menos trabalhadores nas lojas e armazéns, verificando-se, de acordo com o sindicato, "sucessivas alterações aos mapas de horários, sem conhecimento ou autorização dos trabalhadores implicados".

Para o CESP, os patrões querem trabalhadores "sempre disponíveis para trabalhar", uma revisão da tabela com "salários miseráveis" e a desvalorização das carreiras profissionais.

Leia Também: Aeroporto de Lisboa precisa de obras "já" para "aumentar fluidez"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório