Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

Macau "deve vender" mercado da Grande Baía e atrair multinacionais

O presidente do Banco Nacional Ultramarino (BNU) defendeu hoje que Macau tem "todas as condições para atrair 'holdings' multinacionais" e que "deve vender-se" como porta de entrada para a metrópole mundial chinesa da Grande Baía.

Macau "deve vender" mercado da Grande Baía e atrair multinacionais
Notícias ao Minuto

06:18 - 29/09/22 por Lusa

Economia Macau

Macau, China, 29 set 2022 (Lusa) -- O presidente do Banco Nacional Ultramarino (BNU) defendeu hoje que Macau tem "todas as condições para atrair 'holdings' multinacionais" e que "deve vender-se" como porta de entrada para a metrópole mundial chinesa da Grande Baía.

Carlos Álvares sublinhou que os encargos fiscais em Macau são mais baixos, numa comparação regional, algo que por si só é um elemento de atratividade para a fixação destas empresas, o que teria óbvio impacto na criação de emprego.

Por outro lado, o presidente do BNU em Macau sustentou que a região administrativa especial chinesa devia "vender-se" não como um território de menos de 700 mil habitantes, mas cuja escala de potenciais clientes para as empresas fica mais perto dos 80 milhões, que vivem na Grande Baía.

Tanto mais porque, salientou o líder do BNU, que pertence ao Grupo Caixa Geral de Depósitos, Macau tem ligações fortes com estas cidades e porque está inserido numa região de "aceleração rápida" a nível económico e financeiro.

A Grande Baía é um projeto de Pequim para criar uma metrópole mundial que integra Hong Kong, Macau e nove cidades da província de Guangdong, numa região com cerca de 80 milhões de habitantes e com um Produto Interno Bruto (PIB) superior a um bilião de euros, semelhante ao PIB da Austrália, Indonésia e México, países que integram o G20.

As declarações de Carlos Alvarez foram realizadas à margem do "Concurso de Inovação e Empreendedorismo (Macau) para Empresas de Tecnologia do Brasil e Portugal 2022", no qual são selecionados 14 projetos dos dois países lusófonos, com os vencedores a poderem desenvolver os projetos na região da Grande Baía.

Com esta iniciativa pretende-se "descobrir mais projetos de destaque dos países de língua portuguesa, e promover a interação entre a China e os países de língua portuguesa na inovação, empreendedorismo e intercâmbio tecnológico", assinalaram os organizadores.

O concurso é promovido pelo Gabinete de Desenvolvimento Económico e Tecnológico do Governo de Macau e concretizado pela Parafuturo de Macau e pelo Centro de Incubação de Jovens Empresários de Macau.

Leia Também: Macau regista excedente de 1,4 mil milhões na balança de pagamentos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório