Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2022
Tempo
MIN 7º MÁX 14º

Se aeroporto fosse "situação resolvida há anos", turismo seria "melhor"

A secretária de Estado do Turismo considerou hoje que se o novo aeroporto fosse "situação resolvida há já muitos anos", o setor seria, "provavelmente, ainda melhor motor para a economia nacional", recusando comentar Santarém como possível localização.

Se aeroporto fosse "situação resolvida há anos", turismo seria "melhor"
Notícias ao Minuto

17:17 - 26/09/22 por Lusa

Economia Aeroporto

"Nós precisamos de um aeroporto novo para resolver as limitações do aeroporto de Lisboa, porque se tivéssemos esta situação resolvida já há muitos anos, provavelmente, o turismo seria ainda maior, seria ainda melhor motor para a economia nacional", defendeu a secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, em entrevista à Lusa, por ocasião do Dia Mundial do Turismo, que se assinala esta terça-feira, dia 27 de setembro.

A governante recusou, no entanto, comentar a inclusão de Santarém na lista de possíveis localizações que serão analisadas, depois de um acordo entre o Governo e o PSD, sobre a metodologia a seguir até uma decisão definitiva sobre a localização do novo aeroporto regional de Lisboa.

Também na semana passada, o Público avançou que o grupo Barraqueiro pretende construir um aeroporto em Santarém, um projeto que esteve a ser estudado nos últimos três anos, que pode ser regional, ou, se o Governo acompanhar, um aeroporto de maiores dimensões.

"Não me apraz fazer qualquer comentário relativamente à localização do aeroporto, aquilo que me apraz dar conta é que precisamos de um aeroporto", vincou a secretária de Estado do Turismo.

Rita Marques admitiu que, quando a Estratégia Turismo 2027 (ET27) foi desenhada, em 2017, já se contava que o novo aeroporto de Lisboa não estivesse pronto até 2027, altura em que se pretende atingir 27.000 milhões de euros de receitas turísticas.

A governante sublinhou que o turismo tem tentado viver, "infelizmente, com a limitação" que existe no aeroporto de Lisboa, "porque é um aeroporto saturado", e também com a "elasticidade" que outros aeroportos que ainda não têm a capacidade esgotada permitem.

"Temos vindo a trabalhar com todas as companhias aéreas, também apresentando as várias localizações, apresentando as várias infraestruturas aeroportuárias e mostrando que existem mais-valias em não desistir de Portugal, porque Lisboa está saturada e tentar apostar noutras localizações", realçou.

Questionada sobre a eventual venda da TAP a um grande grupo de aviação, Rita Marques vincou que o que é preciso é "uma TAP forte".

"Se é por via da privatização, se é por via da nacionalização, enfim, a mim não me cabe dar nota de qual é o caminho preferencial, teremos vários colegas de Governo que falarão sobre o tema com muito mais propriedade. A mim só me cabe dar conta de que queremos uma TAP forte, que possa ajudar o nosso turismo, para que possamos ajudar Portugal", assinalou.

A secretária de Estado lembrou que a TAP é uma companhia "fundamental" para o setor que tutela, uma vez que transporta 30% dos turistas que chegam ao país, com expressão nos mercados dos Estados Unidos da América e do Brasil, e, por isso, "há uma preocupação muito grande em manter a excelência do serviço e em garantir que a TAP tem a cobertura adequada".

Leia Também: Receitas turísticas devem ficar "4 a 5% acima de 2019"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório