Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

CIP diz que "não há linhas vermelhas" para acordo de rendimentos

O presidente da CIP -- Confederação Empresarial de Portugal disse hoje que "não há linhas vermelhas" para o acordo de competitividade e rendimentos, em discussão em sede de Concertação Social, reiterando a importância da redução do IRC.

CIP diz que "não há linhas vermelhas" para acordo de rendimentos
Notícias ao Minuto

14:06 - 23/09/22 por Lusa

Economia CIP

"Não há linhas vermelhas. Aquilo que nós temos proposto é que o acordo se designe acordo de competitividade e rendimentos, precisamente para, melhorando os fatores de competitividade, possamos, como desejamos sempre, melhorar os rendimentos sustentadamente", afirmou António Saraiva à margem da conferência "O Desafio da Produtividade na Economia Portuguesa", que decorre hoje no ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa.

Segundo o presidente da CIP, o caderno de encargos da confederação carrega oportunidades para "essa melhoria dos fatores de competitividade", tendo nomeado a política fiscal - estabilidade e redução da carga fiscal --, incluindo do Imposto sobre Rendimentos Coletivos (IRC).

"Obviamente que o IRC, até por uma questão de coerência, temos de, tendencialmente, o reduzir com a sustentabilidade das contas públicas", explicou o responsável, pedindo que "se cumpra a reforma do IRC".

O ministro da Economia, António Costa Silva, defendeu, na quarta-feira, que uma redução do IRC transversal a todas as empresas seria "um sinal extremamente importante para toda a indústria" e "extremamente benéfico" face à atual crise, tendo o ministro das Finanças, Fernando Medina, remetido uma posição para o final das negociações.

A redução de cada ponto percentual da taxa tem um impacto na receita de cerca de 100 milhões de euros.

António Saraiva abordou ainda as tributações autónomas, o reporte de prejuízos fiscais e o 'goodwill' das empresas nos atos de aquisição e fusão de empresas.

Nesse sentido, o presidente da CIP referiu que estas são fundamentais porque tem de se "promover fusões e concentrações" para que se ganhe escala.

Segundo António Saraiva, esses elementos, a par da estabilidade parlamentar e de um acordo de Concertação Social, são fundamentais para que se atinjam os objetivos de dimensão, inovação e internacionalização.

Leia Também: Falta de semicondutores. Toyota obrigada a cortar produção

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório