Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 15º

CFP vê inflação a subir para 7,7% este ano. Em 2023 cairá para 5,1%

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) reviu em forte alta a taxa de inflação para este ano para 7,7%, esperando uma redução gradual para 5,1% em 2023 e 1,9% no médio prazo, foi hoje divulgado.

CFP vê inflação a subir para 7,7% este ano. Em 2023 cairá para 5,1%
Notícias ao Minuto

15:04 - 22/09/22 por Lusa

Economia Inflação

No relatório de atualização das perspetivas económicas e orçamentais 2022-2026, publicado hoje, a instituição "projeta a intensificação das pressões inflacionistas em 2022, sendo antecipada uma aceleração na taxa de inflação, medida pelo IHPC [Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC)], para 7,7%".

A atualização representa uma revisão em alta face aos 3,9% previstos em março.

Esta taxa fixa-se acima do referencial de 7,4% com que o Governo está a trabalhar, segundo indicou, o primeiro-ministro, em entrevista à TVI em 12 de setembro, e uma revisão em alta face aos 4% previstos no Orçamento do Estado para 2022.

O CFP explica que "a inflação em 2022 deverá refletir sobretudo as dinâmicas esperadas para o preço dos bens alimentares e energéticos nos mercados internacionais, a depreciação do euro e a manutenção de restrições do lado da oferta".

Contudo, a instituição presidida por Nazaré da Costa Cabral prevê um abrandamento gradual da taxa de inflação a partir do próximo ano, "em linha com o gradual desvanecimento das pressões inflacionistas e progressiva normalização da oferta".

Antecipa, assim, para 2023 uma taxa de 5,1%, ainda assim acima dos 2,2% previstos em março, e calcula que a taxa seja 2,2% em 2024 e 1,9% em 2025 e 2026.

Contudo, a instituição alerta que o cenário macroeconómico que traça -- e assenta em políticas invariantes - é marcado pela "elevada incerteza", com "os riscos a serem predominantemente de natureza externa, e a penderem de forma descendente para o crescimento da atividade económica e de forma ascendente quanto à inflação".

Entre os riscos aponta o agravamento do conflito na Ucrânia, que "poderá levar a uma eventual interrupção do fornecimento de bens energéticos da Rússia à Europa", bem como o eventual agravamento das pressões inflacionistas, que podem levar à "manutenção ou reforço das medidas Covid-zero na China, que prolonguem os constrangimentos nas cadeias de produção e distribuição globais" e "a inflação (incluindo bens energéticos e alimentares) transmitir-se à inflação subjacente".

"Neste último caso, o aumento das expectativas de inflação no médio prazo poderá ter como consequência uma normalização mais rápida da política monetária e consequente agravamento das condições de financiamento da economia -- com consequências mais significativas para Portugal devido ao elevado endividamento das famílias e empresas", adverte.

[Notícia atualizada às 15h14]

Leia Também: CFP melhora crescimento do PIB para 6,7% este ano (e piora para 2023)

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório