Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

Inflação nos 6,1% este ano na zona euro com pico no segundo trimestre

A Comissão Europeia estimou hoje uma "revisão considerável" em alta da taxa de inflação na zona euro este ano, para 6,1%, principalmente impulsionada pelos preços energéticos e alimentares, com pico no segundo trimestre e descida em 2023.

Inflação nos 6,1% este ano na zona euro com pico no segundo trimestre
Notícias ao Minuto

10:39 - 16/05/22 por Lusa

Economia Inflação

"A inflação na zona euro está projetada em 6,1% em 2022, antes de cair para 2,7% em 2023", estima o executivo comunitário, nas previsões macroeconómicas de primavera, hoje divulgadas.

A instituição realça que, para o conjunto de 2022, "isto representa uma revisão considerável em alta em comparação com a previsão anterior de inverno de 2022, de 3,5%", divulgada em fevereiro passado, estando agora projetado um pico de 6,9% na taxa de inflação no segundo trimestre, "antes de desacelerar e fechar o ano em 5,2%".

A energia "continua a ser o principal motor de a inflação na zona euro", explica a Comissão Europeia, lembrando os "aumentos dos preços do petróleo e do gás", numa altura em que o preço do barril do Brent excedeu os 100 dólares (cerca de 96 euros) e os valores do gás natural ultrapassam os 100 euros/MWh, cinco vezes mais do que no primeiro trimestre de 2021.

Como na configuração do mercado energético da UE os preços do gás determinam os da eletricidade, a inflação da luz aumentou de taxas negativas no primeiro trimestre de 2021, para 34,3% no primeiro trimestre de 2022.

Entre os fatores que justificam esta revisão em alta estão então, de acordo com Bruxelas, o aumento dos preços da energia e dos produtos alimentares, bem como "uma série de estrangulamentos de abastecimento e logística, ambos originados pelo ajustamento induzido pela pandemia, mas exacerbados pelo surto da guerra".

Em concreto, de acordo com a Comissão Europeia, "a inflação alimentar é projetada para registar um aumento considerável no segundo trimestre [...], enquanto se espera que a inflação energética atinja o seu pico antes de moderar a partir daí".

Destacando que "os preços dos alimentos têm vindo a subir devido ao aumento dos custos dos fatores de produção e aos estrangulamentos de fornecimento", Bruxelas elenca ainda que estes registaram um acréscimo anual de 4,9% na zona euro e de 5,8% no conjunto da UE no primeiro trimestre de 2022.

As previsões surgem numa altura em que os preços na zona euro e na UE batem máximos devido aos constrangimentos das cadeias de abastecimento, recentemente acentuados com as tensões geopolíticas da guerra da Ucrânia.

A inflação é, por estes dias, mais acentuada no que toca aos preços energéticos, tendo os preços dos combustíveis fósseis (como o gás) disparado nas últimas semanas e alcançado os níveis mais altos da última década devido aos receios de redução na oferta provocada pela invasão russa da Ucrânia.

O gabinete estatístico da UE, o Eurostat, estimou, no final do mês passado, que a taxa de inflação homóloga subiu em abril para os 7,5% na zona euro, face aos 7,4% de março, e aos 1,6% do mesmo mês de 2021.

Esta foi a taxa mais elevada desde que há dados e quase o dobro do pico anterior registado em meados de 2008.

Numa estimativa rápida do Eurostat divulgada na altura, o Eurostat indicou que a inflação subiu impulsionada pelo preço dos combustíveis, que tiveram um aumento homólogo de 38%.

A taxa de inflação na zona euro e na UE tem vindo a acelerar desde junho de 2021 e a atingir valores recorde desde novembro.

Leia Também: Nepalesa escala monte Evereste pela 10.ª vez e quebra o próprio recorde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório