Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 22º

Standard & Poor's. Pagamentos da dívida em Angola sobem em 2023

A agência de notação financeira Standard & Poor's disse hoje que Angola deverá registar um excedente orçamental primário acima de 5% do PIB, mas alertou para o forte aumento dos pagamentos de dívida a partir de 2023.

Standard & Poor's. Pagamentos da dívida em Angola sobem em 2023
Notícias ao Minuto

08:33 - 16/05/22 por Lusa

Economia Angola

"Graças ao atual nível elevado dos preços do petróleo, estimamos que Angola deverá registar um excedente orçamental primário [sem contar com os juros] acima de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, o segundo melhor em África; isto vai ajudar a aliviar as preocupações de curto prazo sobre a liquidez, mas notamos que os pagamentos de dívida externas vão aumentar significativamente a partir de 2023, quando os acordos de reestruturação da dívida com dois bancos chineses terminarem", refere a Standard & Poor's.

Em declarações à Lusa no seguimento de um relatório sobre a capacidade dos bancos africanos absorverem o choque da guerra na Ucrânia, a analista de crédito Giulia Filocca disse que "o sistema bancário de Angola é mais pequeno que a média africana, e as contas dos bancos estão relativamente sobrecarregadas de dívida soberana".

O sistema financeiro não bancário, acrescentou a analista desta agência de rating, também tem uma dimensão relativamente pequena, "o que sugere que há um espaço limitado para a acumulação de dívida interna por parte dos mercados internos".

A emissão de dívida pública no mercado interno tem sido uma das apostas do Governo de Angola para evitar endividar-se no mercado internacional, procurando não só estimular o próprio mercado interno, como também 'fugir' ao pagamento dos juros de quase 10% exigidos pelos investidores internacionais.

Ainda assim, Giulia Filocca diz à Lusa que "as taxas de juros reais são elevadas em Angola, refletindo o ambiente da inflação ainda elevada e os significativos prémios de risco exigidos pelos investidores nacionais".

Os pagamentos de juros face à dívida emitida ocupam mais de 20% de toda a receita angariada por Angola, acima da média africana, nota ainda .

No relatório sobre as vulnerabilidades da dívida no continente, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, esta agência de notação financeira diz que "o declínio do crescimento económico global e o abrandamento da China estão a ter um impacto negativo na capacidade dos mercados emergentes africanos acumularem dívida".

O facto de em mercados como o Egito, Gana e África do Sul uma parte importante da dívida interna ser detida por investidores estrangeiros "aumenta a liquidez, mas muitas vezes à custa de um aumento da sensibilidade às mudanças na política monetária global", alertam os analistas, concluindo que "muitos países africanos já entraram neste período pós-pandemia com um volume elevado de dívida interna e grandes necessidades de refinanciamento da dívida".

Leia Também: Timor-Leste: Díli celebra 20º aniversário da restauração da independência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório