Meteorologia

  • 07 JULHO 2022
Tempo
38º
MIN 21º MÁX 38º

G7 recebe "51% dos pagamentos de dívida" dos países pobres e deve perdoar

A Organização Não-Governamental Debt Justice defendeu hoje que a reunião dos ministros das Finanças do G7 deve apelar ao perdão de dívida dos credores privados e salientou que metade dos pagamentos serão para os países do G7.

G7 recebe "51% dos pagamentos de dívida" dos países pobres e deve perdoar
Notícias ao Minuto

12:06 - 15/05/22 por Lusa

Economia Ativistas

"Os nossos novos cálculos mostram que os países do G7 são responsáveis por 51% dos pagamentos de dívida externa que os países de baixo rendimento vão fazer, sendo que a China é credora de 14% dos pagamentos", lê-se numa nota enviada à Lusa pela Debt Justice, o novo nome do Comité para o Jubileu da Dívida, a organização ativista contra a pobreza e por uma dívida justa.

A nota surge nas vésperas da reunião dos ministros das Finanças do G7, marcada para entre 18 e 20 de maio, na qual a crescente onda de endividamento dos países mais pobres, mas não só, deverá ser um dos temas em cima da mesa.

"Estamos a pedir ao G7 que desbloqueie as negociações internacionais sobre o alívio da dívida e defendemos que devem obrigar os credores privados a cancelar a dívida, no seguimento do que a diretora executiva do Fundo Monetário Internacional e o presidente do Banco Mundial já fizeram relativamente aos governos dos EUA e do Reino Unido para aprovarem legislação nesse sentido", disse o economista-chefe desta organização sedeada em Londres, Tim Jones.

Segundo a nota, "os cálculos são baseados no facto de muitas dívidas aos credores privados terem sido contraídas ao abrigo das leis norte-americanas e britânicas, muitos credores privados terem sede em países do G7, e no facto de os países do G7 deterem uma forte posição acionistas em instituições multilaterais, como o FMI e o Banco Mundial".

"Os empréstimos a bancos, fundos de investimento e intermediários de petróleo são um problema bem maior para os países de baixo rendimento do que as dívidas à China", disse Tim Jones, defendendo que "os países do G7 têm de assumir a responsabilidade pelas dívidas contraídas na sua jurisdição legal e que são devidas às suas empresas e acordar urgentemente novos meios de obrigar os credores privados a cancelar as dívidas".

O aumento da dívida pública no seguimento dos efeitos da pandemia de covid-19 tem sido uma das principais preocupações dos governos de países com baixo rendimento, nomeadamente em África, cuja média da dívida sobre o Produto Interno Bruto (PIB) deverá este ano rondar os 60%, de acordo com os dados do FMI.

Leia Também: G7 critica decisão da Índia de proibir exportações de trigo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório