Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 25º

UGT/Congresso. Carlos Silva defende combate às assimetrias do país

O secretário-geral cessante da UGT, Carlos Silva, assegurou hoje, em Santarém, que a central sindical não desistirá de lutar para combater as assimetrias do país, que ele próprio constatou aos longo dos últimos nove anos.

UGT/Congresso. Carlos Silva defende combate às assimetrias do país
Notícias ao Minuto

19:50 - 23/04/22 por Lusa

Economia UGT

"Existe uma linha longitudinal que separa o país, que o atravessa de norte a sul, e há uma parte do país esquecida do poder político e do poder central", disse o sindicalista no 14.ºcongresso da UGT, após apresentar o relatório de atividades do último mandato.

Carlos Silva lembrou que uma parte do país está longe dos grandes centros bancários e empresariais, em locais cada vez mais isolados, onde têm sido encerrados serviços essenciais às populações e consequentemente destruidos empregos.

"As aldeias querem sobreviver e eu estive lá", disse.

Há nove anos, quando sucedeu a João Proença, Carlos Silva prometeu aproximar a central aos trabalhadores e à população em geral e ao longo deste período fez questão de honrar a promessa percorrendo o país, visitando empresas, câmaras municipais, escolas e outras entidades.

Carlos Silva considerou que "Portugal é uno", mas as diversas regiões não têm tido igualdade de oportunidades.

"É por isso que temos de lutar, não desistimos", disse, na sua última intervenção no congresso.

Carlos Silva citou, a propósito, Mário Soares, que o influenciou a juntar-se à juventude socialista aos 14 anos, que defendia que "só perde quem desiste de lutar".

A última tarefa de Carlos Silva ainda enquanto secretário-geral da UGT foi apresentar o relatório do último mandato, que foi aprovado com 10 votos contra e oito abstensões, sob fortes aplausos.

Carlos Silva aproveitou a sua última intervenção para criticar a postura contestária da CGTP.

Lembrou algumas das muitas iniciativas concretizadas nos últimos cinco anos, reconheceu que nunca está tudo feito e afirmou que "o folclore não faz parte da cultura da UGT", aludindo ao sindicalismo de intervenção na rua.

Contudo, na abertura do congresso, a UGT mostrou ter apreço pelo verdadeiro folclore, já que, a anteceder o início dos trabalhos, os congressistas assistiram a uma exibição de danças e cantares do Rancho Folclórico da Ribeira de Santarém.

Na hora da despedida, não faltaram palavras de carinho e elogios à liderança de Carlos Silva.

Leia Também: UGT. Carlos Silva deixa liderança mas continuará a defender trabalhadores

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório